Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Amigos de garoto morto em roubo clamam por Justiça

20 JUL 10 - 08h:24
Vânya Santos

Parentes e amigos de Paulo Henrique Rodrigues, o Paulinho, fizeram manifestação pacífica pedindo Justiça, na tarde de ontem, em frente ao Fórum de Campo Grande, onde o juiz da 2ª Vara Criminal, Olivar Augusto Roberti Coneglian, conduzia audiência sobre o caso. Paulinho, então com 17 anos, foi morto no dia 17 de fevereiro deste ano por Marcelo de Souza Ribeiro, o Cicatriz, 19 anos. Na ocasião, o réu havia assaltado a Mercearia Vidal e na fuga baleou o jovem, que trabalhava numa bicicletaria no cruzamento das ruas Acaia e Itaoca, Bairro Jardim Tarumã. Além de Marcelo, Alessandro da Anunciação, o Testa, 27 anos, foi preso acusado de ser o dono da pistola calibre 45 usada no crime.
Conforme a mãe de Paulinho, Maria Aparecida dos Santos Neres, 36 anos, se as 14 testemunhas de acusação prestassem depoimento ainda ontem, o magistrado teria condições de anunciar a sentença no máximo em 60 dias, já que não existem testemunhas de defesa.
Cerca de 20 pessoas vestiram camisetas com a fotografia de Paulinho e seguraram faixas pedindo Justiça pela morte do jovem. “Esperamos que eles paguem pelo crime”, garantiu Maria. Mãe de outros três filhos, com idade entre 21 e dois anos, Maria contou que atualmente depende de tratamento à base de medicamentos, enquanto o filho de 11 anos faz acompanhamento psicológico em decorrência do homicídio. “Ele saiu de casa para trabalhar e voltou num caixão”, relatou.
“Amanhã a vítima pode ser o familiar de outra pessoa”, exemplificou o padrasto Evanildo da Silva Neves, de 36 anos, dono da bicicletaria onde a vítima trabalhava. A namorada de Paulinho, Andressa Lopes Negrete, 15 anos, revelou que o jovem pretendia abrir o próprio empreendimento. Já a sogra do adolescente, Rita de Cássia Lopes, 45 anos, contou que em novembro de 2004 também perdeu um filho de 14 anos, na mesma rua em que o genro foi assassinado. “Mudei de bairro porque aquele lugar ficou triste”.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUSÃO

Cade aprova aquisição de parte da Embraer pela Boeing

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant
ASTRO DO BASQUETE

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant

ALERTA

Anvisa só inspeciona aviões da China quando suspeita de coronavírus é notificada

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"
COMPORTAMENTO

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião