Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 17h05min

nacional

Amante do pai pode ter matado criança de seis anos no Rio

2 MAR 11 - 14h:43g1

A polícia aponta Luciene Reis, amante do pai da menina Lavínia, de 6 anos, como a assassina da menina. A criança foi encontrada morta nesta quarta-feira (2), em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, depois de dois dias desaparecida. Segundo o delegado Robson Costa, da 60ª DP (Campos Elíseos), sua prisão já foi pedida à Justiça.

De acordo com a polícia, ela nega o crime, mas testemunhas do hotel teriam-na reconhecido. Ainda segundo a polícia, a menina teria sido assassinada no dia em que sumiu de casa.

"A ganância foi o principal motivo", diz o delegado, que afirma não acreditar que o pai da menina nem o ex-marido de Luciene tenham envolvimento no crime.

R$ 2 mil pode ter motivado o crime
Ainda de acordo com o delegado, o crime teria sido motivado por dinheiro. Luciene sabia que o pai de Lavínia tinha cerca de R$ 2 mil em casa, provenientes da venda de um carro. As investigações indicam que, ao entrar na casa da família, Luciene teria chamado a atenção da menina e resolveu levá-la para não ser reconhecida. A polícia afirma ainda que ela tinha a intenção de incriminar o ex-marido.

No dia do seu desaparecimento, um vizinho chegou a informar que Rony dos Santos, pai da menina, e Luciene haviam brigado durante a madrugada e que a amante teria ameaçado se matar. Procurada pela polícia, ela negou as acusações e foi liberada.

O corpo de Lavínia foi encontrado num hotel, no Centro de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A menina foi vista pela última vez por volta das 3h de segunda, quando acordou com a chegada do pai em casa. A mãe de Lavínia só percebeu o sumiço quando foi chamar a filha para ir à escola, pela manhã.

De acordo com a polícia, o pai da menina e o ex-marido de Luciene ajudaram nas investigações desde a noite de terça (1°). Rony, a pedido da polícia, ligou para Luciene e disse que caso a menina aparecesse, daria os dois mil reais a ela. O ex-marido de Luciene também fez contato com ela pedindo explicações sobre o envolvimento dele no episodio. Ela teria dito ao ex para não aparecer na delegacia porque daria uma quantia em dinheiro para que ele não falasse nada sobre o assunto. A polícia marcou um encontro entre Rony e Luciene para supostamente negociar o dinheiro. O encontro foi marcado em Jardim Gramacho, onde foi realizada a prisão da suspeita.

Menina foi asfixiada com cadarço
Segundo a polícia, o corpo foi achado por uma camareira do hotel, embaixo da cama, de bruços, enrolada numa toalha e com o cordão do tênis enroscado no pescoço.

A movimentação de policiais no local levou uma multidão de curiosos para a frente do hotel. Chorando muito e bastante abalado com a notícia, o tio da menina esteve lá e, em seguida, saiu em diligência com a polícia.

Durante o inquérito, os pais da menina, a mulher apontada como amante do pai e o ex-marido dela foram ouvidos pela polícia, mas foram liberados.

Na noite de terça-feira (1º), uma testemunha afirmou à polícia que viu uma mulher arrastando uma criança com as mesmas características de Lavínia em Caxias.

Quebra do sigilo telefônico
Ainda na terça, a polícia chegou a pedir a quebra do sigilo telefônico dos pais da menina Lavínia e também de Luciene.

O ex-marido de Luciene também foi ouvido e negou ter envolvimento no caso. Após perícia na casa da menina, a polícia afirmou que só foi possível constatar digitais antigas na janela do quarto de Lavínia.

Como foi o caso
Segundo a versão de Andréia Azeredo, mãe de Lavínia, por volta das 3h, Rony teria chegado em casa. A filha acordou, Andréia a levou ao banheiro e depois voltou a dormir. Ela disse que trancou a janela do quarto da criança e a porta de casa, que fica no segundo andar de um imóvel.

Às 5h45 ela acordou, como de costume. Não encontrou a filha e viu a porta de casa e a janela do quarto da criança abertas. Rony, neste momento, estava saindo para trabalhar, segundo ela. “Falei pra ele que ela tinha sumido e aí começou o desespero”, contou.

Andréia também contou que, antes do marido chegar, ligou para o celular dele dezenas de vezes e em uma delas uma mulher atendeu.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Desbloqueio de rio pela PF resulta   em confronto com manifestantes
RIO PARAGUAI

Desbloqueio de rio pela
PF resulta em confronto

PM encontra 185 quilos de droga em residência no bairro Itamaracá
TRÁFICO

PM encontra 185 kg de droga em residência no Itamaracá

Governo espera resultado de prova para avaliar novo concurso
PROFESSORES

Estado espera resultado para avaliar novo concurso

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro
BRASIL

Militares e PSL disputam sucessão de Bebianno no governo Bolsonaro

Mais Lidas