segunda, 23 de julho de 2018

MERCADO AGRÍCOLA

Alta demanda obriga Brasil a ampliar área de plantio de soja

13 FEV 2011Por camila moreira e ana conceição DA Agência Estado00h:00

crescente demanda mundial por soja vem colocando o Brasil em uma posição de destaque como fornecedor da oleaginosa. Para ter mais produto e atender a essa procura, o aumento da área cultivada é considerada por analistas a melhor opção no curto prazo, já que eventuais novidades em biotecnologia, capazes de elevar a produtividade em áreas já ocupadas, ainda devem demorar a chegar ao mercado. Ampliar a lavoura de soja significa não só avançar sobre áreas de pastagens, como está se vendo em Mato Grosso, mas também abrir novas áreas, dizem as fontes.

 De acordo com Amélio Dall’Agnol, pesquisador-chefe de comunicação e negócios da Embrapa Soja, dos três maiores produtores mundiais o Brasil é o que tem as melhores condições para atender à demanda impulsionada principalmente pelo apetite voraz da China. Os Estados Unidos, maiores produtores, já enfrentam uma forte disputa por área principalmente entre soja e milho. No país, é grande a demanda pelo cereal, matéria-prima do etanol. Já a Argentina, segundo Dall’Agnol, só expandiria a área da oleaginosa se o preço se mantiver alto, porque as regiões para onde o plantio pode avançar precisariam de maior aplicação de fertilizantes e representam maior risco.

"No Brasil temos muita área disponível apta para produção, e que pode ser facilmente incorporada ao processo produtivo. Nos últimos 11 anos, a média anual de aumento de produção foi de mais de 8 milhões de toneladas, e nem por isso está sobrando soja", disse Dall’Agnol à reportagem. Desde a safra 2000/01, a área cultivada com soja cresceu 10 milhões de hectares. Para atender à demanda crescente, André Pessôa, sócio-diretor da Agroconsult, diz que o Brasil precisa expandir a lavoura do grão em mais 8 milhões de hectares nos próximos 10 anos. Isso elevaria o total semeado de 24,1 milhões de hectares na atual temporada para 32 milhões de ha. O Ministério da Agricultura projeta a área de soja em 2019/2020 em 26,8 milhões de hectares

"É ingênuo pensar que não precisamos de novas áreas. Hoje, a cultura da soja está perto do limite de produtividade possível de se obter. Há necessidade de se produzir mais, de ampliar a área de produção", defendeu Pessôa, para quem o País não dará conta de atender à demanda internacional sem a abertura de novas lavouras. Segundo ele, enquanto no milho a produtividade brasileira ainda está longe das maiores vistas no mundo, na soja, o produtor nacional está "perto do estado da arte", ao tirar das lavouras o mesmo volume de soja - ou até mais - que os concorrentes norte-americanos.

De acordo com dados divulgados na quarta-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produtividade das lavouras de soja brasileira deve chegar a 2.943 quilos por hectare. Já o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), em relatório divulgado no mesmo dia, diz que o produtor do país deve retirar 2.925 quilos de grão em um hectare. No milho, por exemplo, o produtor brasileiro produz 4.158 quilos por hectare (média considerando a primeira e a segunda safra), menos da metade dos colegas americanos, que colhem 9.590 quilos por hectare.

Leia Também