Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Alimentos influenciam queda da inflação de agosto

22 AGO 2010Por 11h:45
     Os alimentos mais uma vez foram os maiores responsáveis pela queda da inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de agosto divulgado, nesta sexta-feira (20), aponta que o grupo ?Alimentação e Bebidas? apresentou recuo de 0,68% no período, puxando o índice para baixo. Calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA-15 do mês teve variação de - 0,05%.
        

 Batata-inglesa (-22,06%), tomate (-21,89%), cebola (-9,26%) e hortaliças (-8%) registraram as maiores quedas. Os preços do feijão carioca, leite pasteurizado e do açúcar cristal também caíram no período.  De acordo com o economista Flávio Godas, da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), esta época de temperaturas mais amenas e baixo volume de chuva é apropriada para a produção de hortaliças. ?Além do preço baixo, a qualidade desses alimentos também merece destaque,? afirma.  

Segundo Godas, o tomate, a batata e a cebola, pelo grande volume e representatividade no mercado, foram os produtos mais comentados, porém há outras  opções com preços mais atraentes para o consumidor, como alface, acelga, cenoura, berinjela, beterraba e rúcula. O Índice Ceagesp, que apura os preços no atacado, já apontava esta tendência favorável. ?As quedas acumuladas no setor de verduras já ultrapassam 30% em 2010?, completa

Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou preços entre 14 de julho a 13 de agosto e comparou os valores com aqueles vigentes entre 15 de junho e 13 de julho. O indicador refere-se às famílias com rendimento até 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços.

 

(Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também