SÃO PAULO

Alckmin pedirá autorização para ampliar dívida

Alckmin pedirá autorização para ampliar dívida
09/03/2011 15:42 - ESTADÃO


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, informou que tem a intenção de pedir ao governo federal autorização para ampliar o tamanho da dívida pública estadual. Segundo ele, a questão ainda não foi discutida com representantes do Tesouro Nacional, responsável pela autorização para ampliar o limite do endividamento. A intenção de Alckmin seria dobrar o teto fixado para novas dívidas, que atualmente é de R$ 15 bilhões. "Nós não fizemos ainda nenhum pleito junto ao governo federal", disse. "Nós ainda não concluímos esse trabalho e só depois vamos levá-lo à administração federal."

O governador defendeu a ampliação do teto, justificando que o Estado de São Paulo já conseguiu neste início de 2011 reduzir a relação dívida sobre receita corrente líquida para 1,5. A meta era que a relação, até 2015, chegasse a 2. "O Estado de São Paulo fez a lição de casa. São Paulo era pra chegar em 2015 com a relação em 2, mas nós temos 1,5 quatro anos antes", disse. "Então, é justo que tenhamos uma capacidade de financiamento maior."

Mais cedo, o secretário estadual da Fazenda, Andrea Calabi, confirmou que existe um estudo preliminar para o aumento do teto e disse que a quantia pleiteada deve ser de R$ 15 bilhões, dentro dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

O governador participou nesta quarta-feira, 9, de evento que comemorou o 131º aniversário do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Na ocasião, o governador entregou, ao lado da prefeita de São Paulo em exercício, Alda Marco Antonio, 189 viaturas para a corporação. O prefeito Gilberto Kassab está em Paris, em viagem oficial.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".