Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

SUPERCOMPUTADOR

Ajuda na prevenção e alerta de desastres naturais

25 JAN 2011Por BRUNA LUCIANER07h:53

Enquanto o país lamenta a morte de mais de 800 pessoas na região serrana do Rio de Janeiro em função das chuvas, o governo federal anuncia a implantação de um sistema nacional de prevenção e alerta de desastres naturais. Para coordenar o programa, ninguém menos do que Carlos Nobre, cientista brasileiro que foi diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) por 12 anos e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), o que já é um ótimo começo.

Cruzando dados meteorológicos e geofísicos, o Sistema Nacional de Prevenção e Alerta identificará as áreas de risco de desastres naturais, possibilitando a retirada das pessoas desses locais com certa antecedência. Um dos principais instrumentos do Sistema é o Tupã, supercomputador do Inpe capaz de realizar 258 trilhões de cálculos por segundo.

“Com o Tupã, teremos a possibilidade de rodar modelos mais sofisticados, mais próximos da realidade. Teremos previsões mais aproximadas, em termos de quantidade, e mais detalhadas”, explica o pesquisador e chefe do serviço de supercomputação do Inpe, Marcelo Seluchi. De acordo com Marcelo, o modelo atual de previsão tem resolução de 20 quilômetros, ou seja, não enxerga áreas com menos de 20 quilômetros quadrados. A resolução de previsão do novo supercomputador será de aproximadamente cinco quilômetros.

O Tupã terá capacidade de fazer previsões meteorológicas detalhadas de toda a América do Sul. Ele colherá dados atmosféricos, como chuva, umidade e temperatura do ar, e elaborará as previsões com margens de erro bem menores do que as atuais. O supercomputador deve estar em pleno funcionamento a partir do segundo semestre de 2011.

No caso da catástrofe do Rio de Janeiro, por exemplo, teria sido possível estimar, com o supercomputador, que o volume de chuva seria elevado e alertar a população para deixar os locais com risco de desabamento e alagamento.

Com investimento de R$ 50 milhões, o equipamento foi adquirido com recursos da pasta e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e permitirá ao Inpe ampliar mais de 50 vezes a capacidade de processamento.

Mato Grosso do Sul

Com área de cobertura estendida por toda a América do Sul, o supercomputador também poderá auxiliar na previsão de eventos climáticos extremos como os que castigaram Mato Grosso do Sul em 2010. “Uma frente fria que passará daqui a uma semana em MS, deve estar hoje no Oceano Pacífico. Por isso é importante saber o que acontece à nossa volta e nos países vizinhos”, explica Marcelo.

Leia Também