Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

AirCross começa a ser vendido em setembro

23 JUL 10 - 10h:44
Paulo Cruz, Auto Press

O mercado é movido a novidades e as montadoras sabem que precisam de novos produtos para manter o ritmo de vendas. Em 2010 e nos próximos anos, seremos invadidos por centenas de novidades, inclusive de novas marcas que estão aportando em terras brasileiras e sul-mato-grossensses. E uma dessas novidades, que vai causar impacto nas ruas, é o Citroën AirCross. Os executivos da montadora de origem francesa não escondem o otimismo em relação ao novo produto. Durante o evento de “lançamento industrial”, que marcou oficialmente o início da produção do modelo na fábrica de Porto Real, no sul fluminense, as projeções de vendas do modelo foram ganhando corpo. À noite, havia a certeza de que seriam comercializadas 2 mil unidades mensais, com possibilidades de chegar a 2.500. No dia seguinte, na visita à linha de montagem, 2.500 unidades a cada mês já eram dadas como quase certas. Caso essas últimas previsões se concretizem, o monovolume com jeito de aventureiro responderia sozinho por 1% dos carros de passeio vendidos no País e elevaria em 40% a participação da marca no mercado brasileiro: pularia dos atuais 2,5% de “share” para 3,5%.
Os motivos para o crescente entusiasmo são evidentes. O C3 AirCross é um carro muito bem resolvido visualmente. Ele chega ao mercado em meados de setembro próximo para se perfilar ao lado de outros pseudo-off-roads compactos do mercado brasileiro, como Ford EcoSport, Volkswagen CrossFox e Fiat Palio Adventure. E terá a vantagem de ser explicitamente bem mais moderno que os rivais, todos já com muitos anos de mercado.
O design do C3 AirCross buscou abrutalhar as linhas do modelo-base, o C3 Picasso – que deve chegar ao mercado nos primeiros meses de 2011. Foi uma forma de tornar o monovolume mais palatável para o público masculino. Isso explica o pouco prático estepe pendurado na tampa traseira, que, além de aumentar o comprimento do veículo, complica o acesso ao porta-malas. Outras mudanças “aventureiras” são as saias laterais, que insinuam um estribo, os apliques na parte inferior da frente e da traseira, como se fossem “peitos de aço”, e as barras no teto que se estendem desde a base do vidro dianteiro até o vidro traseiro. Todos estes apetrechos, assim como as molduras dos faróis de neblina, são na cor de alumínio e contrastam bem com detalhes em cromado, como as maçanetas e na parte superior das carcaças dos espelhos. Na base das portas, o adesivo com os dizeres “AirCross” aparece em letras garrafais.
Todo o visual do AirCross parece buscar uma imagem de sofisticação e de requinte. No interior, muito bem acabado, há também detalhes em alumínio nas saídas de ar e no volante – que ostenta no miolo, pela primeira vez, a nova logomarca da montadora. Outro ponto atrativo do AirCross é o espaço interno, bastante generoso. O modelo da marca francesa tem 4,28 metros de comprimento, 1,72 metro de largura e 1,70 metro de altura. Mas ele se destaca mesmo pelo entre-eixos de 2,54 m de entre-eixos – significativamente maior que o dos rivais. Isso se reflete em um habitáculo bem mais amplo.

Motor
O C3 AirCross virá sempre equipado com o motor 1.6 16V, que desenvolve até 113 cv de potência e 15,8 kgfm de torque.  A princípio, o modelo será oferecido em duas versões, como é tradicional na marca. A básica, GLX, deve começar em R$ 55 mil e virá com ar-condicionado, ABS, airbags frontais, trio e visual externo mais despojado – para-choques sem pintura, por exemplo. A versão superior será a Exclusive e, além de pintura nos parachoques, ar-condicionado digital automático, airbags frontais e laterais, ABS, rádio/CD player da Pionner, bancos revestidos parcialmente em couro e sensores de estacionamento traseiro, entre outros. Esta versão deverá sair em torno de R$ 60 mil. Com o incremento de um Pack Techno, o AirCross ganha, entre outros recursos, um GPS com tela de sete polegadas bem no centro do tablier – no lugar onde ficam os dois inclinômetros e a bússola nas outras versões. Completo, o modelo da Citroën deve bater os R$ 65 mil.
Em todos os projeto do C3 Picasso, que inclui a versão AirCross, foram  investidos 180 milhões de euros – pouco mais de R$ 400 milhões – durante os 38 meses de trabalho, entre concepção, compras, desenvolvimento e industrialização. Além de chegar ao mercado brasileiro, o Aircross vai ser exportado para Argentina, Uruguai, Paraguai e Colômbia, entre outros.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MUDANÇA

Serviços sociais e conselhos tutelares atendem em novos números

Conselho Centro teve mudança no telefone, demais continuam os mesmos
Campo Grande registra aumento de casos de tuberculose
DOENÇA

Campo Grande registra aumento de casos de tuberculose

Comercial minimiza vantagem <br>sobre o Corumbaense
ESTADUAL

Comercial minimiza vantagem sobre o Corumbaense

Ministro da Saúde participa de entrega de duas UBS em Bandeirantes
MELHORIA

Ministro da Saúde participa de entrega de duas UBS em Bandeirantes

Mais Lidas