REDE DE ESGOTO

Águas Guariroba explora clientes com taxa de ligação

Águas Guariroba explora clientes com taxa de ligação
29/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Os consumidores da Capital reclamam da cobrança, pela Águas Guariroba, por um serviço que, por exemplo, no interior do Estado, é feito gratuitamente: a taxa de instalação da rede de esgoto. A informação é do jornal Correio do Estado desta quarta-feira (29).

Segundo a publicação, foi a falta de pagamento desta taxa que levou a prefeitura de Campo Grande a notificar nesta semana pelo menos 78 famílias para se adequar ao serviço, sob pena de pagar uma multa de R$ 1 mil, cada.

Para o aposentado Manoel Rodrigues Paiva, de 83 anos, morador no bairro Recanto dos Pássaros, a cobrança de R$ 530,30, referente à ligação do esgoto é “totalmente abusiva”.

Ele viajou para os municípios de Corumbá e Três lagoas, para fim de analisar a situação. Por lá, para a sua surpresa, descobriu que a população está isenta da cobrança.

A reportagem de Rafael Bueno mostra que moradores de municípios do interior do Estado não pagam pela ligação de rede de esgoto. A prática vem sendo adotada pela empresa Sanesul, responsável pelo serviço, há cerca de cinco anos, como forma de incentivar a ligação por parte dos consumidores.

A empresa Águas Guariroba, responsável pelo saneamento em Campo Grande, informa que a cobrança pela ligação do esgoto segue leis municipal, estadual e federal. Além disso, todos os valores de reajustes de tarifa ou de ligação de esgoto, estão de acordo com a tabela prevista no contrato de concessão assinado no ano de 2000, com o município. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".