Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

FEVEREIRO

Agroindustrial Iguatemi vai iniciar abates

28 JAN 2011Por DA REDAÇÃO14h:35

A retomada dos abates em Iguatemi já tem data marcada. Dia 1º de fevereiro começam as atividades do grupo Agroindustrial Iguatemi Ltda. OS trabalhadores do setor, até então, viviam  fase de insegurança desde o fechamento do Frialto em maio de 2010.

O volume inicial de abate em Iguatemi será de 300 cabeças/dia com a meta de, em um ano, chegar a capacidade máxima do frigorífico, que é de 500 cabeças.

Segundo o gerente do frigorífico, Marcelo Picinato, serão gerados, inicialmente, 220 empregos diretos e cerca de 50 indiretos para caminhoneiros que transportarão os animais e a carne. ”Já contratamos nosso pessoal e posso garantir que a nossa mão de obra será 100% de Iguatemi, um pessoal qualificado e que estava fora do mercado desde o fechamento dos antigos frigoríficos da região”, esclareceu Picinato que adiantou também que, ainda na segunda quinzena de fevereiro, deverão ser contratados mais 20 funcionários para o trabalho com o charque.

O prefeito de Iguatemi, José Roberto Felippe Arcoverde (PSDB) lembrou as dificuldades enfrentadas na economia local. “Sem dúvida, é uma grande vitória. Toda a economia local sentiu os reflexos do fechamento dos antigos frigoríficos. Tivemos desemprego e isso se refletiu diretamente no comércio”, enfatizou. Iguatemi possui cerca de 15 mil habitantes e os dois frigoríficos que atuavam no município geravam cerca de 1100 empregos diretos.

José Roberto fez questão de destacar o apoio do Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Agrário, Produção, Indústria, Comércio e Turismo (Seprotur).

Segundo a secretária da Seprotur, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, que acompanhou a  toda a situação naquela região, “ o trabalho do Governo Estadual é buscar, de todas as formas, levar aos municípios o desenvolvimento e a geração de emprego e renda para a população. A reativação da indústria frigorífica em Iguatemi, em especial, é de grande importância para a economia local e regional, demonstrando a superação dos problemas sanitários passados”, finalizou.

Leia Também