ECONOMIA

Agricultor aposta na sorte e apenas 16% da área plantada no Estado tem seguro

Agricultor aposta na sorte e apenas 16% da área plantada no Estado tem seguro
14/09/2010 09:08 -


A baixa adesão ao seguro-agrícola pode expor ainda mais os agricultores às consequências do prolongamento da seca. Segundo o assessor da Famasul, apenas 16% da área plantada no Estado (448 mil dos 2,8 milhões de hectares) é segurada. Apesar de tímido, o número é maior do que a média nacional (11%).
Em 2008, a área segurada era de 10,9% dos 2,9 milhões de hectares, segundo o último relatório do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).
Para Lucas Galvan, produtores ainda preferem contar com a sorte e não pagar o prêmio do seguro (5,5% em média sobre a produtividade da lavoura). ‘É como o de carros, muita gente prefere não ter e correr riscos”, compara.
Outro fator da pequena adesão ao seguro é o baixo valor disponibilizado pelo Governo federal para subsidiar contratos. O agricultor pode ter ajuda dos caixas públicos para pagar metade do custo do seguro, em torno de R$ 900 por hectare.
Conforme o assessor, o montante disponível para essa subvenção neste ano é de R$ 260 milhões e a demanda dos agricultores brasileiros soma R$ 600 milhões. Na safra passada, o valor destinado pelo governo ao seguro-agrícola de MS (R$ 8,8 milhões) correspondeu a 2,6% do total pago pelos produtores (R$ 334,2 milhões).
“O governo precisa aumentar esses valores para estimular a procura por seguro. O ideal é chegar a R$ 2 bilhões em 2016”, opina Galvan.  (CHB)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".