Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Balanço

Agosto registra alta de 0,49% na inflação em Campo Grande; alimentação é a vilã

5 SET 12 - 10h:50DA REDAÇÃO

Os grupos que mais contribuíram para a elevação da inflação foram: alimentação 1,16%, habitação 0,74% e educação 0,35%. Já os grupos que mais contribuíram para a queda foram: vestuário (-1,15%) e despesas pessoais (-0,61%).

A habitação apresentou forte elevação devido aos aumentos dos seguintes produtos: esponja de aço 7,69%, energia elétrica 3,58% e DVD 1,90%. Quedas de preços ocorreram com: forno microondas (-4,22%), ventilador (-3,13%) e refrigerador (-2,64%). Outro grupo que registrou forte inflação foi alimentação (1,16%), reflexo dos elevados valores das carnes bovina, suína e de aves.

Carnes
“A maioria dos cortes de carne bovina apresentou aumento de preço, devido a forte estiagem que estamos atravessando, prejudicando as pastagens naturais. Com a entrada no mercado do boi gordo de confinamento, os preços tendem a subir, motivados pelos altos custos da ração e hospedagem dos animais. Com as grandes perdas de milho e soja ocorridas no Meio Oeste Americano, a situação daqui para o final do ano pode se agravar ainda mais, com fortes aumentos no setor de carnes em geral. As carnes de aves e suína também começaram a ter fortes altas”, afirma o pesquisador da Anhanguera-Uniderp, José Francisco Reis Neto.

Por outro lado, o grupo alimentação também sofre influência de fatores climáticos e da sazonalidade de alguns de seus produtos, principalmente, verduras, frutas e legumes. Alguns produtos aumentam o valor ao término da sua safra, outros diminuem quando entram na safra. Além das carnes, os outros produtos que mais pressionaram a inflação para cima foram: pimentão (28,34%), repolho (21,60%), limão (20,77%), beterraba 16,63%, cenoura 16,59% e tomate 15,95%. Por outro lado, alguns s tiveram reduções significativas: abobrinha (-24,36%), cebola (-13,35%), uva (-8,48%) e laranja pera (-7,31%).

No item carnes, vários cortes de carne bovina tiveram alta: contrafilé 4,22%, coxão mole 4,12%, patinho 2,22%, músculo 1,54% e cupim 1,04%. Outros tiveram redução: fígado (-6,86%), paleta (-4,20%), filé mignon (-1,54%), alcatra (-0,81%), picanha (-0,66%) e lagarto (-0,11%). “Para os próximos meses a tendência é de alta”, reforça José Francisco. Em relação à carne suína, houve uma reação em relação ao mês passado, com aumentos significativos da costeleta 5,33%, pernil 4,31% e bisteca 3,14%. Quanto à carne de aves, tanto miúdos quanto frango congelado aumentou: miúdos 3,57% e frango congelado 0,15%.

Transportes
O grupo Transportes apresentou pequena inflação, da ordem de 0,09%, principalmente, pelos valores de óleo diesel 4,03% e gasolina 0,18%. Ocorreram quedas de preços de etanol (-4,77%) e automóvel novo (-0,17%). O Grupo Educação também registrou pequena deflação, da ordem de 0,16%, devido aos aumentos em produtos de papelaria, de 3,39%.

Já o grupo Despesas Pessoais apresentou uma moderada deflação, da ordem de (-0,61%). As principais altas foram com os produtos: absorvente higiênico 5,88%, hidratante 1,47% e produto para limpeza de pele 0,92%. Quedas ocorreram com: filme fotográfico (-6,87%), protetor solar (-3,13%) e creme dental (-2,24%).

Saúde
No mês de agosto de 2012, o grupo Saúde registrou pequena inflação da ordem de 0,16%. Destacaram-se: consultas de médicos pediatras 5,31%, material para curativo 2,82%, antiinfeccioso e antibiótico 1,80%, vitamina e fortificante 1,43%. Quedas ocorreram com: antialérgico e broncodilatador (-3,19%), anticoncepcional e hormônio (-1,69%), antigripal e antitussígeno (-1,67%) e psicotrópico e anorexígeno (-0,13%).

Vestuário
Observou-se no grupo Vestuário forte deflação em seu índice, da ordem de (-1,15%) em relação ao mês de julho. Aumentos de preços em produtos desse grupo foram verificados nos itens: camiseta feminina 10,27%, sandália/chinelo masculino 10,13%, short e bermuda masculina 2,28%. Ocorreram quedas de preços nos produtos: camiseta masculina (-13,72%), calça comprida masculina (-3,45%) e camiseta masculina (-1,58%).

Inflação acumulada - A inflação acumulada neste ano de 2012, na cidade de Campo Grande, é de 2,98% e, nos últimos 12 meses é de 5,27%, ultrapassando o centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que para o ano de 2012 é de 4,5%. A tendência para este ano de 2012 é que a inflação acumulada na cidade de Campo Grande fique dentro da meta estabelecida pelo CMN, que é de 4,5% ± 2%, isto é, até 6,5%.

“O grupo Despesas Pessoais continua liderando em termos de inflação acumulada neste ano de 2012, com índice de 7,87%, sinalizando que o setor de serviços é aquele que mais tem sofrido reajustes de preços nesses últimos meses. O grupo Educação vem em segundo lugar, com 5,66%, que também é um grupo de serviços, motivado pelo aumento das mensalidades escolares de janeiro, reforçando, assim, que o setor de serviços tem puxado a inflação para cima. O reflexo só não é maior na inflação da cidade porque os pesos desses grupos são pequenos na composição da mesma. Os grupos Saúde e Habitação, além de Despesas Pessoais e Educação também têm inflações acumuladas elevadas, acima da inflação acumulada geral do ano de 2012, que é de 2,98%”, aponta o coordenador do núcleo que divulga o IPC/CG, Celso Correia de Souza.

O grupo Despesas Pessoais também lidera a lista das inflações acumuladas em 12 meses, com 8,82%, seguida do grupo Alimentação com 7,24%, transportes 6,40% e Educação 6,09%, inflações essas superiores a inflação acumulada em 12 meses, que está em 5,27%.

Os dez mais e os dez menos
Os dez produtos que mais contribuíram para a inflação foram Energia elétrica; Óleo diesel; Pescado fresco; Arroz; Papelaria; Tomate; Contrafilé; Maçã, Bebidas alcoólicas e Cenoura. Já os dez que menos contribuíram para a elevação da inflação na cidade de Campo no mês de agosto foram: Etanol; Camisa masculina; Filme fotográfico; Calça comprida masculina; Laranja pêra; Cebola; Queijo muçarela/prato; Paleta; Feijão e Alcatra.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

VAZA-JATO

Procuradores trocaram mensagens sobre Flávio Bolsonaro, afirma site

BRASIL

Marinha proíbe uso de celular em suas instalações

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa
ECONOMIA

Deputados propõem liberar venda de remédios sem aval da Anvisa

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda
ECONOMIA

Ministro diz a caminhoneiros que tabela do frete será suspensa nesta segunda

Mais Lidas