segunda, 23 de julho de 2018

CAMPO GRANDE

Agilidade marca votação durante 2º turno

1 NOV 2010Por Carlos Henrique Braga03h:58

 

Cerca de 40 minutos antes do início oficial das eleições, a fila estava formada no portão da Escola Estadual Valdemir Barros da Silva, no Bairro Moreninha I, em Campo Grande. Trabalhadores que voltavam ou iam ao trabalho esperavam pacientemente. Pais, acompanhados de crianças, queriam votar bem cedo e aproveitar o resto do dia sem mais obrigações. Quando os portões abriram, às 8h, pouco mais de 100 pessoas correram para ocupar as filas em frente às seções eleitorais.

O mestre de obras Aresmiro Variro foi o primeiro a chegar e a sair da cabine de votação. "Agora é só um candidato, demorei dois segundos", disse, andando apressado pelos corredores de volta para casa, às 8h10min. Bem diferente do 1º turno, quando a longa lista de candidatos a Presidência, Governo, Senado, Câmara e Assembleia confundiram eleitores e causaram demora no processo eleitoral. "Demorei duas horas na fila no 1º turno", conta o vigilante Valdeir Nogueira, que madrugou na escola. Com o relógio adiantado em 40 minutos, ele chegou ainda mais cedo para ocupar um lugar na primeira fila, mesmo com o transporte público "que já é demorado no domingo, e ainda mais lento em dia de eleições".

A fila para justificar o voto também já tinha gente pela manhã. Apesar da tecnologia de ponta empregada nas eleições, a justificativa ainda é preenchida no papel, e reafirmada na urna eletrônica. "Tem coisa que demora a evoluir", disse a responsável pelo setor, Aparecida Pereira. Funcionária pública, ela ainda não planejou o que fazer com os quatro dias de folga a que terá direito pelo serviço prestado à democracia.

Leia Também