Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATENDIMENTOS

Agepen quer mais ações da saúde em cadeias

Agepen quer mais ações da saúde em cadeias
22/01/2014 00:00 - da redação


A Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) fechou o balanço de atendimentos em saúde nas unidades prisionais de Mato Grosso do Sul em 2013 cumprindo as metas de atendimento em saúde básica e de média e alta complexidade.

De acordo com a Agepen, as unidades prisionais de Mato Grosso do Sul contam com o atendimento de atenção básica em saúde interno enquanto os tratamentos de média e alta complexidade seguem os procedimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) através de agendamento para consultas.

Um dos principais objetivos da SES e Agepen está em expandir o número de municípios na “Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional”, desenvolvido pelo Ministério da Justiça e da Saúde, no qual a atenção à saúde nas unidades prisionais conta com equipes designadas pelo Estado e Município de forma pactuada. Em Mato Grosso do Sul 12 municípios já integram esta política, sendo eles: Rio Brilhante, Jateí, Naviraí, Amambai, Ponta Porã, Jardim, Dois Irmãos do Buriti, Aquidauana, Três Lagoas, Paranaíba, Bataguassu e Cassilândia.

“Mato Grosso do Sul avançou muito nas ações de saúde nas unidades prisionais, principalmente Campo Grande, que mesmo sem integrar as políticas de saúde específicas desenvolvidas pelo Ministério, criou o Sisreg e dinamizou a distribuição do cartão SUS para a população carcerária. A expectativa é de que a Capital integre as políticas, já que que a ação pactuada desenvolvida no Estado é referência no cenário nacional”, destaca a chefe da Divisão de Saúde da Agepen, Maria de Lourdes Delgado Alves.

Além das equipes médicas mantidas pela Secretaria Estadual de saúde, a Secretaria Municipal de Saúde (Campo Grande) mantém um médico infectologista que também atua no atendimento dos internos. Além disso, equipes da UFMS e da UFGD desenvolvem projeto de combate à tuberculose em presídios do Estado, incluindo a Capital.

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...