Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Agência diz que não tem como cumprir lei

16 MAR 10 - 08h:06
Às vésperas de vencer o prazo dado pelo juiz da 1ª Vara de Execuções Penais de Campo Grande, Francisco Gerardo, que determinou a transferência de 663 presos do Complexo Penal de Campo Grande, o diretor da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Deusdete Souza de Oliveira Filho, admite que não tem condições de cumprir a decisão porque o sistema carcerário está superlotado. São 10.889 detentos quando a capacidade do sistema é para 5.739. Deusdete garante que a única alternativa para abrir novas vagas é a inauguração do complexo da Gameleira, em implantação em Campo Grande. No local, está prevista a criação de mil vagas, em três unidades nas quais os internos vão trabalhar no próprio estabelecimento, no regime intramuros. Com a inauguração dessa unidade, prevista para o final do mês, Deusdete diz que será liberado o presídio de Dois Irmãos do Buriti, hoje ocupado por detentos do semiaberto transferidos de Campo Grande. Outra aposta da Agepen para adiar a transferência dos presos, é que o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS) derrube amanhã a decisão do juiz.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Grupo tailandês quer <br> investir no turismo de MS
HOTELARIA

Grupo tailandês quer
investir no turismo de MS

Mente serena
CINCO PERGUNTAS

Mente serena

ECONOMIA

Decreto cria comitê técnico para desenvolvimento do mercado de combustíveis

BRASIL

'Falta apenas ouvir o Queiroz', diz Bolsonaro

Mais Lidas