Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FORA DESDE 2012

Adriano se emociona com retorno e sonha com Copa

Adriano se emociona com retorno e sonha com Copa
14/02/2014 09:53 - band


Sem jogar desde março de 2012, Adriano entrou em campo nos cinco minutos finais da vitória do Atlético-PR sobre o The Strongest, nesta quinta-feira, pela Copa Libertadores da América. Após o jogo, o atacante se mostrou bastante emocionado com o retorno aos gramados e disse que ainda acha possível retornar à seleção brasileira.

“Agora é trabalhar devagarzinho. Estou muito feliz, depois de tanta coisa que passei na minha vida, poder estar pisando de novo no gramado, poder jogar um campeonato grande como a Libertadores... estou até um pouco emocionado, só minha família sabe o que passei”, comentou Adriano ao Fox Sports, na saída de campo.

O centroavante disse ainda que duvidou que pudesse um dia retornar ao futebol, pois a lesão no tendão de Aquiles do tornozelo esquerdo foi de difícil recuperação.

“Cheguei, sim (a duvidar do retorno). Tive duas operações no tendão, fiquei indeciso mesmo para saber o que eu deveria fazer. Graças a Deus eu consegui, óbvio que ainda não estou 100% do tendão, mas estou trabalhando para melhorar agora”, acrescentou.

Como o camisa 9 preferido de Luiz Felipe Scolari é Fred, e o jogador ainda não está totalmente em forma, muito se questiona sobre quem pode ser o centroavante da Seleção na Copa do Mundo. Titular no Mundial de 2006, Adriano ainda sonha em poder vestir a camisa amarela em 2014.

“Se eu falar que é impossível, é melhor desistir. É no dia a dia, melhorando a cada jogo. Só Deus sabe. Mas quem sabe, quando Deus quer, tudo é possível”, disse.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?