ESPORTES

Adriano presta depoimento e confirma compra de motos

Adriano presta depoimento e confirma compra de motos
26/03/2010 06:17 -


O atacante Adriano depôs ontem na 22ª Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro e confirmou a compra de duas motos ainda quando atuava pelo São Paulo, em 2008, mas alegou total desconhecimento com relação ao fato de uma das motos ter sido emplacada em nome de Marlene de Souza, mãe do traficante Paulo Rogério de Souza, o ‘Mica’. “O Adriano confirmou a compra das duas motos. O amigo Marquinho, que prestou depoimento quarta-feira, foi quem efetuou essa compra, que foi paga em cartão de crédito realmente. Uma para presentear o Marquinho e a outra para uso seu no interior da comunidade de Vila Cruzeiro quando ele viesse aqui visitar parentes e amigos”, afirmou o delegado Jader Amaral. Segundo reportagem publicada pelo jornal carioca “O Dia”, com cópia de nota fiscal inclusive, Adriano adquiriu duas motocicletas, uma no valor de R$ 37 mil e emplacada no seu nome, e outra um pouco mais barata, de R$ 35 mil, que acabou registrada no nome de Marlene Pereira de Souza, o que, segundo o delegado Amaral, o atacante não sabia. “Ele (Adriano) não sabia em momento algum que essa moto foi emplacada em nome da dona Marlene, mãe do ‘Mica’, desconhecia esse fato, ficou sabendo agora com estas notícias pela mídia. Afirmou também que as motos foram vendidas, todas as duas, por Marquinho sem autorização dele, sem ele ter assinado nada”, explicou Amaral. O delegado explicou o que acontecerá na sequência da investigação e que o atacante rubro-negro não é tratado como indiciado, mas não descartou sua volta à delegacia.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".