Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRIME NA ESCOLA

Adolescente que matou colega será julgada

Adolescente que matou colega será julgada
30/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


A adolescente de 16 anos que matou Luana Vieira Gregório, 15 anos, no dia 11 de setembro do ano passado vai ser julgada no começo de março pelo crime. O Ministério Público Estadual (MPE), por meio da 27ª Promotoria de Justiça, pediu a internação da garota, mas o cumprimento da medida depende de decisão judicial. A menina responde pelo ato infracional em liberdade. A reportagem está na edição de hoje (30) do jornal Correio do Estado.

Segundo a 27ª Promotoria, a representação que pede a aplicação de medida socioeducativa de internação foi encaminhada à Vara da Infância em novembro do ano passado, mas a primeira audiência foi marcada apenas para o dia 5 de março.

O crime chocou Campo Grande e repercutiu por todo o Brasil em razão da crueldade das imagens que foram filmadas e divulgadas nas redes sociais. Em vídeos, que foram feitos por alunos da Escola Estadual José Ferreira Barbosa, na Vila Borbon, onde o crime aconteceu, aparecem cenas de chutes e socos de Luana na garota que a matou e ainda o momento que a vítima foi atingida.

O inquérito da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij), que investigava o envolvimento da adolescente na morte, já foi finalizado e é o resultado dessa investigação que será objeto de julgamento em março pela Vara de Infância. Já a investigação que corre pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) ainda não terminou, porque, segundo a delegada Regina Motta, o laudo do corpo de delito não chegou às suas mãos. “O inquérito está praticamente concluído, mas precisamos do laudo”.  

A mãe de Luana, Katíuscia Vieira, disse no ano passado que gostaria de ver as autoras do assassinato culpadas. “Eu quero Justiça”, afirmou na época. A reportagem é de Lucia Morel.
 

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?