CIDADES

Adolescente mata o padrasto a golpes de foice, no Universitário

Adolescente mata o padrasto a golpes de foice, no Universitário
01/03/2010 04:45 -


ICHELLE ROSSI Um adolescente de 15 anos assassinou a golpes de foice o padrasto, João André dos Santos, 59 anos. O crime ocorreu no final da tarde de sábado, na residência de ambos, situada nas imediações do Museu José Antônio Pereira, região do Bairro Universitário, em Campo Grande. Até o final da tarde de ontem, o infrator não havia sido localizado. Segundo relato de testemunhas – três filhos da vítima, de 9, 11 e 13 anos, mais um enteado de 17 anos –, João Santos chegou visivelmente embriagado em casa e começou a ameaçar a todos, tendo pego, inclusive, uma foice para intimidá-los. Em meio à discussão, o adolescente de 15 anos conseguiu tomar a foice das mãos do padrasto e começou a golpeá- lo, atingindo-o primeiro na perna, depois braços, costas, nuca e cabeça. De acordo com o Corpo de Bombeiros, o homem já estava morto quando o socorro chegou ao local. A esposa da vítima e mãe das crianças e adolescentes, R.F., 43 anos, trabalhava no momento do crime e só tomou conhecimento do fato momentos depois. Conforme a Polícia Civil, João Santos era conhecido como “Pernambuco” e tinha registros policiais por estelionato e porte de drogas. Na casa foram apreendidas duas foices, uma delas utilizada no assassinato, e um facão. O caso foi registrado no Centro Especializado de Polícia (Cepol) e os menores, que testemunharam o crime, foram encaminhados para a residência de parentes.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".