Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quinta, 21 de fevereiro de 2019 - 13h01min

Adiada votação do reajuste aos aposentados

29 ABR 10 - 06h:49
AGÊNCIA ESTADO, BRASÍLIA

O Governo conseguiu adiar mais uma vez a votação da medida provisória de reajuste das aposentadorias acima de um salário mínimo. A votação, no plenário da Câmara, foi remarcada para a próxima semana. Com a base rebelada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta enquadrar os líderes aliados do Senado para prevalecer a proposta de aumento de 7%, hoje durante um jantar, inicialmente marcado para discutir a votação dos projetos do marco regulatório do pré-sal.
Os senadores reafirmaram que vão votar o índice de 7,71%, mantendo o impasse na votação. A situação do Governo não é nada fácil. Os deputados querem fechar acordo com o Senado em torno de um único índice para evitar desgaste político em ano eleitoral. Por isso, resistem em aprovar os 7% negociados com o presidente Lula. “A situação persiste. Hoje (28) não há entendimento na base do Senado para 7%. Haveria entendimento para 7,7%. Mas não há condição econômica para o 7,7%”, afirmou o líder do Governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).
“Não vamos votar antes de uma decisão consensual entre Câmara e Senado. Ou a base convence o presidente ou o presidente convence os senadores”, afirmou o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN).
Apesar do impasse, o líder do Governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), acredita em uma solução favorável ao governo. “Estou confiante em fazer um acordo com o índice de 7%. Está perto de chegar a esse acordo, por isso, a votação ficará para a próxima semana”, procurou justificar.
No Senado, os aliados entendem que aprovar uma correção de 7,71% já é um recuo. Isso porque, o plenário da Casa já aprovou anteriormente a equiparação de reajuste das aposentadorias com o salário mínimo. Nesse caso, o reajuste seria 9,6%.
“Por enquanto, o limite de entendimento político é 7%, mais do que isso teria de haver um processo de convencimento com a equipe econômica”, disse Jucá. Na avaliação do líder, “nós já estamos esticando a corda” ao permitir uma negociação com índice superior a 6,14%, fixado no texto original da medida provisória em vigor desde 1º de janeiro. Ele ressaltou que qualquer correção acima de 7% está sujeita ao veto do presidente.
Nesse cenário de seguidos adiamentos na votação, cresce entre os deputados a suspeita de que o Governo pretende deixar a medida provisória perder a validade no dia 1º de junho. Sem a votação da MP, o presidente editaria uma nova medida com um índice novo. Nesse caso, a votação da nova MP ficaria para outubro, depois das eleições.
“O Governo está conseguindo o objetivo dele de editar outra MP com uma pequena correção no índice e fugir da pressão dos aposentados e pensionistas. O Governo faz um jogo de cena, sujo e sórdido, porque não quer votar”, afirmou o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputados avaliam alternativas para reduzir impacto da Cota Zero
MEIO AMBIENTE

Deputados avaliam alternativas sobre impacto da Cota Zero

Campo Grande deve voltar a fazer parte das grandes competições vôlei
VIVAVÔLEI

Capital deve voltar a fazer parte das competições vôlei

Damares diz que vai rever  atuação de ONGs na Funai
AUDIÊNCIA PÚBLICA

Damares diz que vai rever
atuação de ONGs na Funai

Prefeito considera redução da atuação da guarda como retrocesso
DECISÃO JUDICIAL

Redução da atuação da guarda é retrocesso, diz Prefeito

Mais Lidas