Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h28min

Adeus ao revolucionário do movimento pop e punk

9 ABR 10 - 20h:04

Picareta. Visionário. Talentoso. Imprescindível. Organizado. Farejador de talentos. Criador de confusões. Poucos puderam passar pelo mundo artístico e ganhar, ao mesmo tempo, adjetivos tão opostos como inglês Malcoln McLaren, morto na quinta-feira, aos 64 anos, vítima de câncer. Talvez o público mais novo não reconheça nele a responsabilidade de muitos fenômenos, mas, com certeza, Malcoln é quem está por trás, ou participou ativamente, de formulações de vários emblemas da cultura pop nos últimos 40 anos.

A faceta mais famosa foi a de criador da estética punk, na década de 1970, quando juntou garotos que perambulavam por Londres e frequentavam a loja Sex, mantida por Malcoln, criando a banda Sex Pistols, que provocou verdadeiro tsunami na música, moda e comportamento. Se hoje existem Green Day e Fresno e um dia existiram Nirvana e Dead Kennedys, agradeça aos Pistols e, a reboque, Malcoln. Ele não criou o som com poucos acordes e despejadas de forma nervosa e, muito menos, inventou o jeans rasgado, mas formatou tudo de tal maneira que era impossível não perceber a existência desses elementos. Tornou tudo sedutor e fácil e consumir.

Nos anos seguintes, farejou a cultura hip hop e lançou uma das primeiras obras marcantes do gênero, "Duck rock". Mais adiante, mesmo sem sucesso comercial, produziu peças musicais instigantes – detalhe: não tocava nem um instrumento, muito menos cantava. Em um álbum trouxe valsas; em outro, celebrou sons franceses misturando eletrônica e orquestra. Simplificando: Malcoln McLaren tornou a música popular planetária muito mais divertida e isso não é pouco. (OR)

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas