Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 16 de janeiro de 2019

Cinco anos depois

Acusados impunes após assassinato

1 ABR 2011Por Dourados News10h:50

Hoje completa cinco anos que dois policiais civis foram mortos e um gravemente ferido por seis indígenas. O crime aconteceu no acampamento localizado às margens da MS-156, na região do Porto Cambira, próximo ao Distrito Industrial de Dourados, em 1º de abril de 2006. Todos os acusados estão em liberdade.

Na ocasião, Rodrigo Lorenzatto, Ronilson Bartier e Emerson Gadani foram agredidos e receberam tiros e golpes de facas. Gadani foi o único que sobreviveu, mas, desde então, se encontra hoje aposentado.

Os policiais teriam ido ao local buscar Wilson Rodrigues da Silva, suspeito de assassinar o pastor evangélico Sinforiano Ramires, ocorrido no dia 31 de março de 2006. Ao chegarem ao local, foram surpreendidos por um grupo de índios, que os desarmaram e os agrediram.

Na época, os indígenas alegaram que atacaram os policiais porque haviam confundido-os com seguranças da fazenda onde estavam acampados. Após o crime, seis indígenas foram indiciados pelo crime, são eles: Jair Aquino Fernandes, Valmir Junior Savala, Sandra Arévalo Savala, Lindomar Brites de Oliveira, Paulino Lopes e Marcio da Silva Lins.

No dia 4 de abril de 2006, familiares, acadêmicos de direito e policiais civis fizeram protesto em frente ao escritório da Procuradoria do Ministério Público Federal (MPF) em Dourados. O manifesto durou cinco horas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também