Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUATRO ANOS DEPOIS

Acusado de ter mandado matar tatuador vai a júri

Acusado de ter mandado matar tatuador vai a júri
13/06/2012 00:02 - VÂNYA SANTOS


Quatro anos depois do crime, o empresário Miguel Bacargi Filho será levado a julgamento pelo júri popular, acusado de ter mandado matar o tatuador Luciano Estevão dos Santos, o Jhonny Tatoo. O assassinato ocorreu em março de 2008, em Campo Grande, e o  julgamento acontecerá a partir das 8h do dia 12 de julho,  na 1ª Vara do Tribunal do Júri, presidida pelo juiz Alexandre Tsuyoshi Ito. 

 
A acusação será sustentada pelo promotor de Justiça Fernando Martins Zaupa. A pedido do representante do Ministério Público Estadual (MPE), a previsão é de que Natashi Vilhalva Gomes Bacargi, apontada como pivô do homicídio, preste depoimento durante o julgamento. Enquanto aguarda ser julgado, Miguel está em liberdade.
 
Desde a época do crime, o processo vem se arrastando  nos meios judiciais. Em abril do ano passado, o então vice-presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, desembargador Hildebrando Coelho Neto, negou recurso do empresário, que pedia a nulidade do processo, alegando ofensa ao princípio da ampla defesa. 
 
Leia mais no jornal Correio do Estado

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.