Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

domingo, 17 de fevereiro de 2019 - 15h00min

Acusado de planejar morte do filho é solto

1 JUN 10 - 06h:42
NADYENKA CASTRO

Já está em liberdade o superintendente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), o empresário Francisco Serafim de Barros, de 60 anos, apontado como o responsável pelo plano que previa a morte do filho, o pecuarista Fábio César Barros Leão, de 30 anos, por causa de um prêmio de loteria.
Também já saíram da cadeia os dois homens que supostamente matariam Fábio: Ademar Oliveira da Silva, de 46 anos, e Maxuel Silva dos Santos, de 18 anos, e os dois que seriam os intermediários entre o mandante e os executores: Florêncio e José Gonçalves, este último conhecido como “Zé Gordo”. Fabiano Barros Leão, de 32 anos, filho de Francisco Serafim, também apontado como envolvido na trama, é o único que está preso. Os seis foram indiciados pelo crime de formação de quadrilha.

Temporária
Todos foram presos no fim da semana passada por mandado de prisão temporária. O delegado Rodrigo Yassaki, da Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) explicou que os cinco foram soltos no domingo à noite porque já tinham esclarecido as dúvidas sobre o caso.
Sob alegação de sigilo, o delegado não detalhou quais eram essas dúvidas. Rodrigo Yassaki disse ainda que Fabiano está preso porque na fazenda em que ele estava foram encontradas diversas armas e por esse motivo foi autuado em flagrante. Ele deve ser transferido para Mato Grosso.
O caso
A suposta trama começou a ser desmontada quando, em março deste ano, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), prendeu Ademar e Maxuel, na BR-163, em Jaraguari, com um revólver calibre 38, fotos de Fábio César, informações sobre a placa do carro dele e o endereço da namorada, em Campo Grande, onde estava hospedado.
O Garras assumiu a investigação e descobriu que havia briga judicial entre pai e filho por causa de um prêmio da Mega-Sena, o envolvimento dos pistoleiros e dos intermediários. Ademar e Maxuel acabaram soltos logo após o flagrante, mas voltaram à cadeia no fim da semana passada junto com os outros envolvidos.
Em depoimento ao Garras, o empresário e o filho negaram que tivessem intenção de matar Fábio César. Os outros homens disseram que foram contratados por Francisco Serafim apenas para localizar o pecuarista.

Disputa
Fábio César ganhou R$ 28,8 milhões na Mega-Sena em 2006. Ele confiou o montante ao pai para fazer a administração, já que Francisco Serafim era, na época, diretor de um banco. No entanto, anos depois, verificou que não havia nenhum bem em nome dele. Questionado, o pai respondeu que eram bens de família.
Francisco Serafim devolveu ao filho metade do prêmio que Fábio ganhou na loteria em fazendas e gado. Cerca de trinta dias depois Fábio ajuizou uma ação pedindo a devolução do restante. A briga judicial prossegue.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério
PROVA

Nenhum candidato se atrasa para concurso de Magistério

Deputados temem estoque
IMPORTAÇÃO

Deputados temem estoque "monstruoso" de leite da UE

Operação da PM aborda 117 pessoas   e apreende drogas durante a noite
OPERAÇÃO SATURAÇÃO

PM aborda 117 pessoas e apreende drogas

Anta é fotografada de madrugada   ao cruzar rua de shopping
SHOPPING

Anta é fotografada
ao cruzar rua movimentada

Mais Lidas