Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

Acusado de massacre usa máscara para não cuspir em policiais

27 JUL 2012Por terra03h:00

James Holmes, o homem acusado de matar 12 pessoas e ferir 59 na última sexta-feira em um cinema de Aurora, no Estado americano do Colorado, cuspiu várias vezes nos agentes carcerários desde que foi preso, logo após o massacre. Por causa disso, Holmes foi forçado a usar uma espécie de máscara quando ele é transferido de um local para outro, segundo a ABC News. O homem de 24 anos é o único suspeito do atentado, ocorrido durante uma sessão de pré-estreia do filme Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge.

Além dos cuspes, James Holmes apresentou outros comportamentos estranhos. Logo após ser detido, na madrugada de sexta-feira, o acusado olhou para a parede, franziu as sobrancelhas e disse aos policiais que ele era o Coringa, personagem dos filmes de Batman. Quando os policiais colocaram sacos nas mãos de Holmes para preservar os resíduos de pólvora como evidência do crime, ele brincou com eles como se fossem fantoches, segundo a KMGH-TV.

O homem apareceu em público pela primeira vez após o crime em uma audiência na última segunda-feira. Holmes - que disse ter pintado os cabelos de vermelho-alaranjado para se parecer com o Coringa (cujos cabelos são verdes) - arregalava constantemente os olhos e parecia atordoado.

A psiquiatra Marissa Randazzo, ex-chefe de pesquisa psiquiátrica do Serviço Secreto americano e especialista em tiroteios em massa, disse ao Good Morning America nesta quinta-feira que há muitas explicações possíveis para o comportamento recente de James Holmes. "Uma delas é que ele está no meio de um momento psicótico que é perfeitamente possível. Nós o vemos distraído com múltiplas coisas, (...) tentando descobrir onde ele está e processar o que está acontecendo", disse ela.

"Outra coisa que estamos vendo (...) pode sugerir mania. Hiperatividade significativa, muita energia, sendo possível não dormir por dias. O que nós podemos estar vendo agora são os efeitos colaterais", disse a médica. Randazzo afirmou que uma terceira possibilidade é a de que Holmes, que estudava neurociência, esteja fingindo sintomas de doença mental que ele provavelmente aprendeu.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também