domingo, 22 de julho de 2018

PISCICULTURA

Acreanos vem ao MS em busca de tecnologia

26 JAN 2011Por da redação00h:02

Conhecer a tecnologia em aqüicultura desenvolvido em Mato Grosso do Sul e viabilizar parcerias para o desenvolvimento da piscicultura. Esse foi o objetivo que trouxe o vice-governador do Acre, César Messias, e uma comitiva de empresários e produtores acreanos ao Estado. A comitiva chegou ontem, foi recepcionada pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e vai cumprir roteiro no Estado durante dois dias.

Apesar do clima, condições hídricas favoráveis e da relação do ribeirinho amazônico com a pesca, o Acre hoje não consegue atender a demanda interna de pescado. “Os rios já não são tão fartos e é preciso buscar alternativas viáveis de produção. E a piscicultura atende ao comprometido do Estado de adotar atividades sustentáveis”, enfatiza o vice-governador.

O estímulo para o investimento na criação de peixes vem da ligação via rodoviária com o Pacífico, facilitando o acesso do estado a mercados andinos. Com um rebanho de 2,8 milhões de animais valorizados pela condição de serem criados a pasto, os produtores vêm na criação consorciada de gado e peixe uma alternativa de expansão das atividades rurais. “O Acre ainda vive a indefinição de modelo econômico. Tem uma pecuária de excelente qualidade, mas tem limitações ambientais”, enfatiza o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Acre (Faeac), Assuero Doca Veronez, referindo-se ao fato de a floresta nativa ocupar 90% do território do Estado.

O grupo foi atraído a Mato Grosso do Sul devido ao Projeto Pacu, uma iniciativa reconhecida nacionalmente que abarca toda a cadeia da piscicultura, desde a criação de alevinos até a fabricação de equipamentos para a atividade. Com a produção de alevinos de espécies amazônicas como o Pirarucu e o Matrinxã, o Projeto Pacu desenvolve e transfere tecnologias, cria peixe para abate, faz projetos de implantação de pisciculturas e dá consultoria sobre a atividade.

O desenvolvimento tecnológico é o fato que destaca a iniciativa no País. “O projeto tem o reconhecimento nacional, por isso viemos conhecer e verificar a possibilidade de intercâmbios”, enfatiza o presidente da Assembléia Legislativa do Acre e secretário de estado de Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia, Anderson Mariano, também integrante da comitiva.

Leia Também