Acidente na BR-163 com três carretas mata uma pessoa

Acidente na BR-163 com três carretas mata uma pessoa
09/02/2010 22:25 - NADYENKA CASTRO


Colisão de três carretas, no KM 703 da BR-163, entre Coxim e Rio Verde, por volta das 16 horas de ontem, matou uma mulher e deixou um caminhoneiro gravemente ferido. O ac idente aconteceu a 25 quilômetros do perímetro urbano de Cox im, em trecho local onde vêm sendo execut adas obras. Duas carretas estavam paradas, esperando autorização para seguir, quando a terceira colidiu. O bitrem, de placa de Maringá, Paraná, conduzido por Silvano César Pacheco, bateu na traseira da Mercedes, de placa de Toledo, Paraná, que foi empurrada e colidiu com a Scania, de placa de Alta Floresta, Mato Grosso, a primeira da fila. A Mercedes era dirigida por Almir Gomes Cordeiro, 69 anos, que foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado com diversas fraturas e traumatismo craniano para a Santa Casa de Coxim. O condutor do bitrem saiu ileso, no entanto, a esposa dele, Vera Lúcia da Cruz, 27 anos, teve traumatismo craniano, ficou esmagada entre os veículos e morreu no local. A Scania era conduzida por Adisco Madaleno de Souza, 36 anos, que não teve ferimentos. O caminhoneiro responsável pelo acidente não quis dar entrevista. Ao ver o corpo da mulher, Silvano ajoelhou-se ao lado e começou a chorar. O veículo que ele dirigia ficou completamente destruído. Trânsito De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o tráfego de veículos na rodovia ficou totalmente impedido por cerca de uma hora. Por volta das 18 horas, o trânsito ficou em meia pista. O congestionamento chegou a 10 quilômetros de cada lado da BR.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".