Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 18 de janeiro de 2019

HISTÓRIA

Acervo da Casa da Memória será repassado

20 NOV 2010Por OSCAR ROCHA00h:00

A Casa da Memória Arnaldo Estevão de Figueiredo realizará no dia 30 de outubro, às 17h,  assembleia com associados – na Avenida Afonso Pena 3.900 –  para analisar as propostas de entidades que queiram acolher seu acervo. Fechada desde 2006, a Casa de Memória conta com material bibliográfico, arquivístico, iconográfico e museográfico. “Estudaremos propostas de entidades congêneres – associações culturais, universidades, fundações, entre outros – que queiram ficar com parte ou totalidade do acervo”, explica a presidente da Casa da Memória, Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro.

Fundado em 1996, o espaço, durante o período que esteve em funcionamento, possibilitou contato com material amplo. Um dos exemplos é o arquivo de Arnaldo Estevão de Figueiredo, que  foi prefeito de Campo Grande e governador. Há desde cartas familiares a correspondência políticas e profissionais, artigos de jornais.

Na parte iconográfica, aparecem fotografias de vários períodos, mostrando a trajetória pessoal e pública de Arnaldo Estevão. Na parte bibliográfica, o acervo apresenta várias coleções importantes de períodos diferentes. Também podem ser encontrados retratos a óleo destacando personalidades importantes de Mato Grosso do Sul, além do mobiliário itulizado pelo ex-governador.

Lélia Rita conta que o fechamento do espaço foi inevitável pela falta de patrocínio. “Em um primeiro momento, tivemos grande apoio, mas depois de algum tempo isso foi deixando de acontecer, inviabilizando a manutenção do espaço, que requer muito custo”. No período de funcionamento, além da abertura para consultas e visitação, a casa ainda produziu o espetáculo multimídia “Peabiru”,  apresentado no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo. “Foi um trabalho que reuniu música, dança, poesia, entre outros, com a participação do compositor e regente João Guilherme Ripper”, lembra Lélia, que escreveu o texto da montagem. A casa recebeu o status de utilidade pública federal, estadual e municipal e também integrou o Sistema Nacional de Museu.

Segundo a presidente da casa, há duas propostas para serem analisadas na próxima reunião dos associados, mas a intenção é a de ampliar este número. A sede da Casa da Memória, antes do fechamento, ficava na Avenida Calógeras, esquina com Barão do Rio Branco. Os interessados em enviar propostas poderão entrar em contato pelo e-mail leliaritaeuterpe@gmail.com ou telefone 3321-3204.   

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também