A uma semana dos registros de candidatura, STF recusa avaliar lei

A uma semana dos registros de candidatura, STF recusa avaliar lei
30/06/2010 07:41 -


Fernanda Brigatti

O Ficha Limpa valerá para este ano e pegou muitos políticos e partidos de surpresa. A uma semana do registro das candidaturas, o Supremo Tribunal Federal (STF) recusou avaliar questionamento sobre a validade da lei, prevalecendo o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
O ex-presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, José Carlos Gratz, questionou o STF, buscando impedir a aplicação da lei na análise de seu registro de candidatura nas eleições deste ano, mas não conseguiu.
Parlamentares ouvidos pelo Correio do Estado avaliam que a aprovação da lei e a decisão do TSE de validar a regra para este ano refletem uma pressão popular, mas lamentam que ainda existam questões em aberto. O deputado estadual Paulo Duarte (PT) defende a pacificação urgente das questões que envolvem a regra do Ficha Limpa. “A aprovação do projeto foi uma vitória da mobilização popular. Para que não haja uma decepção com isso, é fundamental uma decisão logo”, afirmou.
O parlamentar é favorável à decisão do TSE e considera que começa uma nova fase da política brasileira. Ele lamenta, no entanto, que esteja tão próximo do período eleitoral.  “Ela vem quase em cima da eleição. O entendimento do TSE foi muito mais do clamor [social] do que propriamente uma decisão de caráter técnico”, disse. Ele acredita ainda que enquanto o STF não tornar definitivo o entendimento do Ficha Limpa, há o risco do uso eleitoral e eleitoreiro da questão, o que pode prejudicar a lisura do processo.

Outro lado
O deputado federal Waldemir Moka (PMDB) disse que a decisão do TSE foi acertada, pois, do contrário, poderia decepcionar uma multidão que esperava pela implantação da regra. O mesmo, segundo ele, vale para a aplicação do Ficha Limpa já em 2010. “Se não valesse para esse ano, ficaria o sentimento de que todo esse trabalho ficaria frustrado”, afirmou. Além disso, Moka acredita que a validade da regra “era esperada, desde o início, pelo apelo popular”.
Para o tucano Reinaldo Azambuja (PSDB), a regra será um mecanismo para o eleitor conhecer o passado dos candidatos, dando maior condição de avaliação. “Isso devia ter acontecido há muito mais tempo. É uma medida muito positiva para extirpar essa banda podre da política”, disse. O deputado estadual afirmou também que o veto era “um clamor”. “A Justiça tem que ser caixa de ressonância da sociedade”, disse.
Na mesma linha pensa o deputado federal Geraldo Resende (PMDB). “Isso está refletindo a vontade da população”, disse. Ele considera também que a exposição da vida pregressa dos postulantes a cargos eletivos renova a “arte da política“. Mesmo que a decisão do TSE seja alterada no STF, Resende acredita que os ministros do Supremo não tomarão “decisão destoante da vontade que impera hoje na sociedade brasileira”.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".