domingo, 22 de julho de 2018

A primeira opção para tornar o rosto mais jovem

16 NOV 2010Por SCHEILA CANTO00h:30

Em uma época em que tanto se faz para estar com o corpo e a saúde em dia, é comum que o espelho evidencie que o rosto também está sofrendo a ação do tempo – e, principalmente, que seu olhar já não é mais o mesmo de alguns anos atrás. Afinal, os primeiros sinais de envelhecimento começam a revelar a idade por tornarem-se mais visíveis depois dos 30 anos. Os pés-de-galinha, bolsas sob os olhos e vincos entre as sobrancelhas, são os que mais denunciam o tempo.

Entre os tratamentos estéticos que oferecem sutil transformação do rosto e da pele por meio de preenchimentos faciais, a aplicação da toxina botulínica (Botox) figura como uma das substâncias preferidas dos especialistas, quando o assunto é rejuvenescimento facial, porque é uma opção segura para quem deseja amenizar marcas de expressão sem cirurgia plástica.

Segundo a médica dermatologista Alessandra Nogueira, a tendência na medicina estética é a de desenvolvimento de tecnologias minimamente invasivas, ou seja, tratamentos que conseguem adiar o uso do bisturi, com uma vantagem: resultado natural e praticamente imediato.

"As aplicações da toxina botulínica em pontos bastante específicos ao redor dos olhos rejuvenescem não só o olhar, mas toda a expressão facial, principalmente ao levantar a cauda da sobrancelha, responsável por aquele olhar caído", diz a médica.

A especialista explica que o envelhecimento é a redução progressiva da função de todos os órgãos e estruturas corporais, incluindo o rosto. Porém, na face existem dois tipos de envelhecimento: o intrínseco, que é inevitável, progressivo e está na dependência direta do tempo de vida do indivíduo, pois revela sua programação genética e se reflete nas rugas finas e na flacidez que surge no rosto à medida que o organismo envelhece. E o extrínseco, que ocorre como consequência da exposição a agentes ambientais, principalmente o sol, e geram manchas, sardas, poros dilatados, pele grossa, vasos finos, piora as rugas da idade, tornando-as mais intensas e profundas, além de intensificar a flacidez da pele. "O sol acelera e agrava o envelhecimento, tanto da face como também de outras áreas do corpo que ficam expostas à sua ação", ressalta a médica.

Portanto, diz a doutora Alessandra Nogueira, antes de a pessoa submeter-se a um tratamento de rejuvenescimento facial é preciso avaliar o tipo predominante de envelhecimento, se é intrínseco ou extrínseco, e graduá-lo em leve, moderado ou grave. "Após essa avaliação inicial, pode-se indicar as opções de tratamento que serão mais efetivas para as necessidades do paciente. Quanto mais grave o envelhecimento, maior a necessidade de associação de procedimentos, que vão desde peelings e toxina botulínica a preenchedores e lasers", enumera.

No que se refere à toxina botulínica, a dermatologista diz que pode ser indicada para todos os pacientes adultos, tanto mulheres como homens, e que têm as chamadas "rugas de expressão" ou rugas dinâmicas, provocadas pela contração dos músculos sob a pele quando o indivíduo se expressa (sorri, fala, sente dor ou raiva). Em geral, essas rugas surgem muito frequentemente e, na maioria dos indivíduos, na testa, no canto dos olhos (pés-de-galinha), ao redor dos lábios, nariz e na região entre as sobrancelhas. "A aplicação da toxina botulínica trata as rugas, suaviza linhas de expressão e gera uma aparência mais descansada e relaxada, dessa forma retarda a evolução das rugas".

A médica lembra também que outra indicação pouco conhecida da toxina é para tratamento da hiperhidrose, que é o suor excessivo que alguns indivíduos apresentam em áreas do corpo como axilas, mãos e pés.

Contraindicações
A toxina para uso estético pode ser aplicada a partir dos 18 anos. E é contraindicada principalmente para portadores de doenças crônicas que geram fraqueza muscular como a miastenia gravis (doença autoimune que gera fraqueza muscular), gestantes e em pacientes em uso de medicamentos que podem alterar a função muscular como D-penicilamida e antibióticos como aminoglicosídeos.

Doses exageradas podem gerar um efeito não desejável, como uma fraqueza muscular excessiva ou congelamento da expressão do paciente. Em caso de resultados mais eficientes o melhor é usá-la em associação com peelings ou lasers.

Duração
A duração da toxina é muito variável – de 4 a 6 meses. Essa maior ou menor duração parece estar relacionada com a força do músculo tratado (músculos mais ativos apresentam uma duração menor do efeito), suscetibilidade individual (alguns indivíduos apresentam uma tendência a duração maior do efeito do que outros), como também ao tipo de toxina que se utiliza.

Leia Também