Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

A importância do pré-natal

4 AGO 10 - 08h:02
SCHEILA CANTO

O resultado do teste de gravidez deu positivo. A partir desse momento, boa parte das futuras mamães foca suas energias para a escolha do nome, da decoração do quarto, do enxoval, do carrinho, das fraldas, etc., negligenciando muitas vezes a etapa mais importante da gravidez, que é o pré-natal, ou seja, o acompanhamento durante todo o período da gestação, com consulta ao médico especialista em ginecologia e obstetrícia. Caso este fosse o foco maior de preocupação da gestante, o Estado não teria o índice tão alto de mortalidade materna infantil.
Entende-se como morte materna o óbito de uma mulher durante a gestação ou até 42 dias após o término da gravidez. Entre as principais causas estão a eclâmpsia – síndrome que pode levar à morte por hipertensão (pressão arterial alta) – e descolamento de placenta. Aborto e hemorragia também entram na lista dos principais acontecimentos registrados.
Acima da média nacional, Mato Grosso do Sul registrou 32 casos de mortalidade materna infantil em 2008. Segundo o Ministério da Saúde, 92% dos casos poderiam ser evitados com medidas simples, como o pré-natal e o acompanhamento pós-parto adequado.
Para discutir o assunto,  profissionais da saúde irão se reunir durante o XXV Congresso de Ginecologia e Obstetrícia de Mato Grosso do Sul, que começa hoje e termina no próximo sábado, em Campo Grande. O encontro acontece no Centro de Convenções e Exposições Albano Franco.
Com o objetivo de reduzir os índices, o evento pretende capacitar os profissionais que atendem as mulheres e crianças nos serviços básicos, maternidades, unidades de terapia intensiva e urgência. “Melhorias nas estruturas dos hospitais e a conscientização das mães sobre a importância do acompanhamento à mulher e ao recém-nascido também irão contribuir significativamente para atingirmos a meta estabelecida pela Organização Mundial da Saúde”, ressalta a presidente da Associação de Ginecologia e Obstetrícia, Maristela Vargas Peixoto.
O índice nacional de mortalidade materna infantil é de 72,4 por 100 mil nascidos vivos. Mato Grosso do Sul, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, registrou em 2008 80,7, por 100 mil gestantes. “Nosso objetivo é mudar esta estatística”, conclui a médica.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após conseguir semiaberto, goleiro Bruno pode deixar prisão a qualquer momento
BRASIL

Após conseguir semiaberto, goleiro Bruno pode deixar prisão a qualquer momento

Nasce filha da primeira bebê nascida por inseminação em MS
ESPERANÇA

Nasce filha da primeira bebê nascida por inseminação

Agetran anuncia interdição de vias para final de semana
CAMPO GRANDE

Agetran anuncia interdição de vias para final de semana

Mesmo votando fora da base, deputados são pré-candidatos
ELEIÇÕES 2020

Mesmo votando fora da base, deputados são pré-candidatos

Mais Lidas