Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

A dor pélvica

5 ABR 10 - 21h:53
Daniela Pessoa/Bolsa de Mulher

A dor pélvica é um dos sinais que mais afetam o público feminino, sendo responsável por aproximadamente 1/3 das reclamações nas consultas ginecológicas. Mas as causas não ficam restritas somente aos órgãos genitais como tubas, útero e ovários, podendo, ainda, envolver o sistema urinário, como bexiga e ureteres, os intestinos, além dos ossos, articulações, musculatura e nervos localizados no tronco. Por existirem várias causas para a  “dor no baixo ventre”, verificar a origem torna-se, certas vezes, um grande desafio ao médico, necessitando uma grande investigação do problema.
A forma como se instala a dor, podendo ser aguda, crônica ou cíclica; sua intensidade, sendo forte ou fraca, interferindo ou mesmo impedindo as atividades do dia a dia; a maneira como é percebida pela paciente, se é em pontada, em fisgada, em queimação, em peso, em cólica, etc.; sua relação com o período menstrual (antes, durante, após, ou no meio do ciclo); sua associação, ou não, com as relações sexuais; a presença ou ausência de outros sintomas como febre, corrimento vaginal, dificuldade para urinar, diarreia, prisão de ventre, aumento do volume abdominal, entre outros, fornecem pistas valiosas sobre o órgão afetado, orientando o raciocínio para o diagnóstico correto.
Nas dores agudas de início súbito e de intensidade progressiva, existe sempre a possibilidade de tratar-se de uma emergência cirúrgica – apendicite, torção de cisto ovariano, ruptura de uma gravidez tubária – hipótese esta a ser confirmada, ou não, pelo exame físico e pelos complementares, que incluem: exames de sangue, de urina, raios X, ultra-sonografia, tomografia ou, até mesmo, a ressonância magnética.
As dores periódicas, associadas a um determinado momento do ciclo menstrual, podem ter significados variados, que vão desde as conhecidas cólicas que acompanham o fluxo – e que atormentam a vida de 50% das mulheres em idade fértil –, até as que se apresentam no meio do ciclo, que não duram mais que 48 horas, típicas e coincidentes com a ovulação. 
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Vistoria final para liberação do uso do Morenão deve ser feita na quarta
CAMPEONATO ESTADUAL

Vistoria final para liberação do uso do Morenão deve ser feita na quarta

INVESTIGAÇÃO

Mulher sai de motel correndo, tem surto no meio da rua e morre

Cocaína e remédio foram encontrados no quarto em que vítima estava com empresário
MEC diz que 143,7 mil participantes 'zeraram' em redação no Enem
RESULTADO

MEC diz que 143,7 mil participantes 'zeraram' em redação no Enem

Motoristas ignoram nova regra de proibição de conversão na 14 de Julho
TRÂNSITO

Motoristas ignoram nova regra de proibição de conversão na 14 de Julho

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião