Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

A capelinha de Severino Mororó

9 ABR 10 - 20h:07

Minha terra cabe toda dentro de mim. Ela é do tamanho de minha infância... Itabaiana! Ah! Terra bem amada! Que carícia te chamar minha terra... minha, sempre minha!

Alguns homens conheci, de estatura religiosa elevada, além do sacerdote, pertencentes à Ordem dos Marianos da igreja católica. O Sr. José Cândido, um deles, residia frontal aos currais de gado, do lado direito da nossa casa, frequentador assíduo da missa domingueira, das quermesses e novenas, açougueiro, homem justo e bom, pai de Assis, que depois seria professor no Colégio Estadual, um dos melhores amigos de folguedos que tive na infância. O outro chamava-se Severino Mororó, de importância capital na expansão do catolicismo na periferia da cidade, de uma consagração espantosa às coisas de Deus, pois chegou a construir, com seus próprios recursos, a igreja de Nossa Senhora de Nazaré, na Rua Padre Ibiapino, lugar onde morava. Esta rua nascia na Pracinha da Maloca e morria nos trilhos da Rede Ferroviária do Nordeste.

Visitei a igrejinha do notável religioso. Após a celebração da missa, aproximei-me do altar. Um manto aperolado cobria Nossa Senhora de Nazaré, anjos de asas abertas rodeavam-na e, acima, numa faixa, podia-se ler: "Glória a Deus nas Alturas e paz na Terra aos homens de boa vontade". Do lado o Santíssimo (lamparina) ondulava a sua chama, chama pequenina de luz, enorme de crença e de amor. Dei dois passos para frente. Declinei meus desejos a Santa, genuflexo. O Santíssimo continuava seu movimento vibratório de luz. Nunca pensei que aquele azeite e aquele pavio durassem tanto. És tu que não deixas que eles se acabem, Senhora de Nazaré – conversei com a santa em pensamento.

Retirei-me silencioso para a calçada da igrejinha. Nas casas da frente, nas soleiras das portas, velhinhas tangiam bilros, a sorrir e a fazer renda, vestidas de chita, com panos envoltos na cabeça. Severino Mororó despedia-se dos fiéis. Tocou no meu ombro direito enquanto, pausadamente, dizia as últimas palavras a uma senhora devota da Santa:

- Um dia voltaremos para o céu, onde os anjos, irmãos remotos, que não desceram à terra, estão com a mesma infância e as mesmas asas. A senhora é uma forte candidata, pratique sempre o bem...

Quando se voltou para mim, tinha os olhos bons. Nele, de verdade, os olhos eram o espelho da alma. Ali estava um homem de Deus, leigo, que apareceu entre os itabaianenses da lavoura, dizendo palavras de concórdia, de consolo e de doçura, ensinando a esperança, acordando a consciência daqueles irmãos carentes das verdades cristãs. Nele se concentravam a ternura do Cristo a cada minuto e a graça do Céu a todo instante.

Desci a ladeira da Rua Padre Ibiapino, ultrapassei a linha do trem e já na Praça Epitácio Pessoa, defronte aos correios e telégrafos, encontrei-me, por acaso, com a professora Celeste, uma das mais conceituadas pedagogas do agreste paraibano, diretora de escolas e mestra por excelência do Grupo Escolar Professor Maciel. Uma educadora sem preconceito, meiga, dedicada, vocacionada para a lida do magistério. Foi ela, nos primeiros momentos de minha aprendizagem, com esmero, quem apostou no meu futuro, a despeito da minha pobreza.

- De onde tu vens, menino? - perguntou com doçura na voz.

- Da igrejinha do Sr. Severino Mororó, um homem verdadeiro, quase santo...

- Olha, recortei de uma revista este texto, lê, se gostares é teu - falou sorrindo, entregando-me um pequeno papel retangular.

Sentei-me num dos bancos redondinhos da praça e, avidamente, li a poderosa mensagem: "A vida é uma escada. O bom lugar é o meio da escada. Pode ser que, contando os que estão em cima, a gente fique triste. Mas, como quem entristece baixa a cabeça, a gente vê que os que estão embaixo são sem conta. Puxar os que estão em baixo para o meio, é melhor que querer ir para cima. Neste mundo tu não és superior a ninguém, e ninguém é superior a ti. Sê humilde. A humildade vem de Deus. Tu és um pedacinho de Deus na terra..."

Ergui os olhos, a mestra sumira na primeira esquina da praça. Coloquei o recorte no bolso da camisa e preparei-me para, nos anos vindouros, ser um pedacinho de Deus exercitando a humildade.

Reginaldo Alves de Araújo

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PRÓXIMO AO CLUBE DA AMIZADE

Fiat Uno é roubado na VilaTaveirópolis

Além do carro, o celular e documentos da vítima foram levados
Motoqueiro avança preferencial e morre ao bater na lateral de ônibus
JARDIM LEBLON

Motoqueiro morre ao
bater na lateral de ônibus

SUMIU

Mulher desaparece ao visitar amigo no bairro Nova Lima

Vítima estava em um veículo Palio e não retornou para casa desde a noite de ontem
Mega-Sena acumula e vai pagar <br>R$ 31 milhões no próximo sorteio
NÃO FOI DESSA VEZ!

Acumulada, Mega-Sena vai pagar R$ 31 milhões na quarta

Mais Lidas