Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

INOVAÇÃO

Energia solar ganha força no Estado

18 OUT 12 - 00h:00VINÍCIUS SQUINELO

Com a promessa de reduzir quase a zero as contas de energia elétrica e com o status de “limpa”, a energia solar teve o “sinal verde” da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para começar a ser implantada nas residências brasileiras. Em Mato Grosso do Sul, quem trabalha com a nova modalidade de geração de energia já espera com ansiedade o dia 13 de dezembro, data limite para as concessionárias se adaptarem à nova realidade.

Com a instalação nas residências de módulos fotovoltaicos (painéis de captação), a luz do sol é enviada à um inversor e pode ser usada como energia elétrica “normal”, para prover toda a necessidade de uma casa. Mesmo o mais simples sistema de captação produz, pelo menos, 300 kwh/mês, mais que o suficiente para uma casa com quatro pessoas, por exemplo.

“Essa energia que vem do sol é captada, e transformada em energia elétrica. O que for gerado, mas não for usado, é enviado para a rede da concessionária de energia, que pode fazer uso”, explicou o engenheiro e professor universitário Bruno Mangiapelo. “O que foi gerado a mais do que for usado na residência vai criar créditos para o consumidor, que pode usar essa energia depois, em até 36 meses”, completou.

Leia mais no jornal Correio do Estado.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bope e Gaeco prendem três e fecham laboratório de refino de cocaína
JARDIM RADIALISTA

Operação fecha laboratório de refino de cocaína na Capital

Grupo de 167 venezuelanos chega a Mato Grosso do Sul nesta semana
INTERIORIZAÇÃO

Grupo de 167 venezuelanos chega a MS nesta semana

Dica da Semana: “Capitão Fantástico”
LONGA PREMIADO

Dica da Semana: “Capitão Fantástico”

Prefeitura da Capital fica mais longe do limite prudencial da LRF
GASTOS COM PESSOAL

Prefeitura da Capital fica mais longe
do limite prudencial da LRF

Mais Lidas