Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CÂMARA MUNICIPAL

Empresário quer despejo de vereadores

17 DEZ 11 - 00h:00FERNANDA BRIGATTI

A Haddad Engenheiros Associados Ltda. não quer saber de conversa com o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) sobre a situação do prédio da Câmara Municipal, da qual é proprietária. O advogado da empresa, André Borges Neto, diz que a única possibilidade de diálogo entre as partes é se o município estiver disposto a pagar a dívida de aluguéis atrasados. Hoje, além de receber o montante que não foi pago pela prefeitura, a empresa quer o prédio de volta. "O dono da Haddad já perdeu a paciencia com o município. São muito anos sem receber", disse.

Ao todo, segundo Borges, a dívida da prefeitura com a empresa soma R$ 11 milhões. Desse valor, R$ 4 milhões são referentes ao período em que o Ministério Público Estadual (MPE) questionou o valor do alugueL e o valor foi depositado em juízo. O restante, quase R$ 7 milhões refere-se aos aluguéis não pagos desde 2005.

"Eles já estão esgotados. Querem o imóvel de volta, para fazer uma reforma, pintar e alugar. Vamos arrumar o imóvel. Me perguntaram o que pode ser lá. Ora, um shopping, um mercado, um açougue! Tanta coisa. O local é muito valorizado", explicou.

A Haddad entrou com uma "Ação de Despejo por Falta de Pagamento Cumulado com Cobrança" e a juíza da 3ª Vara de Fazenda e Registros Públicos, Maria Isabel de Matos Rocha, determinou a desocupação do prédio em 30 dias e o pagamento do valor da dívida.

Na quarta-feira (14), Nelsinho afirmou que recorrerá da decisão. Os vereadores confiam que a resolução do caso passará, necessariamente, pela intervenção de Nelsinho, que não deve deixar "seus vereadores" sem um teto.

O aluguel definido na época do contrato de locação foi R$ 35 mil, valor impugnado pelo MPE. O valor, no entanto, foi mantido em decisão do Tribunal de Justiça (TJMS). Segundo a defesa, desde 2005 a Câmara estão no imóvel sem pagar qualquer tarifa.

O presidente da Câmara, vereador Paulo Siufi (PMD), disse acreditar que a decisão judicial estimularia um tentativa de acordo entre as partes. Para a empresa, somente o pagamento a vista iniciará algum tipo de acordo.

Leia mais no jornal Correio do Estado

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

IMPASSE COM O SETOR

Diretoria da ANTT aprova suspensão da nova tabela de fretes

ECONOMIA

Em nova proposta, governo agora quer limitar saques do FGTS a R$ 500 em 2019

Procuradoria descarta indiciar Cristiano Ronaldo por acusação de estupro
ASTRO PORTUGUÊS

Procuradoria descarta indiciar Cristiano Ronaldo por estupro

Soraya Thronicke perde ação contra suplente na Justiça
SENADORA

Soraya Thronicke perde ação contra suplente na Justiça

Mais Lidas