Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Anorexia masculina é problema cada vez mais comum

31 MAR 12 - 05h:00o que eu tenho - band

Apesar de mais conhecida pelo público em geral como um problema praticamente exclusivo das mulheres, a anorexia nervosa – transtorno alimentar no qual a pessoa desenvolve um grande medo de engordar – atinge também os homens. O transtorno, que vem ganhando espaço cada vez maior na mídia e que atinge um número crescente de pessoas, é causado por diversos fatores (componentes genéticos, biológicos, psicológicos, socioculturais e familiares). Nos homens, um dos componentes evidenciados é associado à obesidade na infância.

“Normalmente os homens que desenvolvem esse transtorno tiveram algum problema com ganho de peso excessivo na infância e o medo de voltar a engordar é determinante para o aparecimento dos problemas” diz Raphael Cangelli Filho, psicólogo clínico, membro da equipe do Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em São Paulo.

Para Cangelli Filho a divulgação do problema e as informações disponíveis sobre como identificá-lo surtiu um efeito também no público masculino, e cada vez mais homens começaram a procurar ajuda. A procura foi tão expressiva que em 2007 o Ambulim montou um programa de atendimento específico para esse perfil de pacientes, o primeiro do tipo no Brasil. Para o especialista, o contato com um modelo de beleza que vem sendo maciçamente estampado na publicidade contribui bastante para levar jovens a desenvolver o problema. “Esses transtornos se desenvolvem especialmente no início da adolescência, uma fase também ligada ao desenvolvimento da sexualidade”, afirma Cangelli. Mas isso não impede que o problema se desenvolva em outras faixas etárias: o Ambulim atende pacientes dos 18 aos 35 anos.

Outra grande diferença evidenciada nos atendimentos do Ambulim é quanto à questão da distorção da imagem corporal, alarmante especialmente entre as mulheres (que chegam a níveis esqueléticos de massa corporal) e muitas vezes associada a um estilo de vida, por parte das pacientes. “Entre os homens essa distorção é menor, mas nos dois casos a resistência em se perceberem doentes é grande”, diz Cangelli. Normalmente os pacientes são encaminhados após muita insistência da família ou por sugestão de profissionais médicos que identificam o problema.

O problema da anorexia masculina é tão recente que até a literatura a respeito do tema é escassa e muitas vezes bastante díspare. “Um dos fatores ligados a esse tipo de transtorno, nos homens, é a relação conflituosa com os pais. Mas nos trabalhos sobre o tema na literatura médica, muitos indicam o homossexualismo como algo latente nesses pacientes. No Ambulim, a partir do acompanhamento desses indivíduos, não identificamos esse fator, ou seja, as informações disponíveis ainda estão propensas a erros diversos de interpretação”, observa Cangelli.

Outro problema que também pode se associar a esse transtorno alimentar, entre os homens, é a vigorexia. Nesse tipo de transtorno a preocupação exagerada com o físico é levada a extremos e pode acobertar comportamentos anoréxicos, como a adoção de alimentação restritiva (através da substituição ou exagero no consumo de carboidratos e proteínas na forma de suplementos alimentares).

Leia mais: http://www.oqueeutenho.com.br/3198/anorexia-masculina.html#ixzz1qe6YIvNf
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Vale a Pena: foi muito bem pensada a escolha de Avenida Brasil na Globo
CANAL 1 - FLÁVIO RICCO

Vale a Pena: foi muito bem pensada a escolha de Avenida Brasil na Globo

Conheça as novas tendências de cuidados para a pele
SKINCARE

Conheça as novas tendências de cuidados para a pele

SAÚDE

Alerta: Doenças graves sob risco de pandemias globais

Dia da Oportunidade atrai mais de 200 visitantes em Bataguassu
INFORME PUBLICITÁRIO

Dia da Oportunidade atrai mais de 200 visitantes em Bataguassu

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião