Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FÓRMULA 1 2019

Vettel cruza chegada no Canadá à frente, mas punição entrega vitória para Hamilton

Punição polêmica mudou pódio quase no final

9 JUN 19 - 15h:44RAFAEL RIBEIRO

Sebastian Vettel cruzou a linha de chegada em primeiro, mas não levou a vitória no Canadá. O piloto alemão, dominante neste domingo (9), foi traído por uma punição de 5s – Vettel escapou da pista nas curvas 3 e 4 e voltou quase tocando Lewis Hamilton, o que configurou pilotagem perigosa aos olhos dos comissários. Dessa forma, Hamilton, que cruzou a linha de chegada menos de 5s atrás, herdou o triunfo em Montreal.
 
O erro de Vettel veio após uma sequência de voltas com pressão de Hamilton. Depois da punição, o britânico precisou apenas seguir por perto para ganhar o triunfo. Vettel, desse jeito, precisou se conformar com o segundo lugar após liderar a maioria das voltas.
 
O pódio ainda teve Charles Leclerc, que teve um dia calmo – sem ameaçar os pilotos adiante, nem ser ameaçado por quem vinha atrás. Valtteri Bottas, em uma atuação apagada, foi quarto. Max Verstappen completou o top-5, minimizando o prejuízo de largar em nono.

A zona de pontos ainda teve posições de destaque para a Renault, sexta e sétima respectivamente com Daniel Ricciardo e Nico Hülkenberg. Pierre Gasly, Carlos Sainz Jr. e Lance Stroll fecharam a zona de pontos.

Saiba como foi o GP do Canadá de Fórmula 1

Antes mesmo da largada, o domingo já reservava sustos para Lewis Hamilton. A Mercedes precisou desmontar o carro #44 por conta de um problema hidráulico. Quando já estava no grid, o bólido precisou de novos reparos nos freios. Apesar de tudo, nada que aparentava prejudicar a participação de Hamilton no GP.
 
Na volta de apresentação, novo susto: o britânico engasgou na hora de deixar o grid e relatou problemas pelo rádio. Mesmo assim, o carro ainda parecia andar normalmente.

E a largada, pelo menos para os líderes, foi normal. Vettel fechou a primeira curva em primeiro, com Hamilton atrás. Leclerc, Ricciardo e Gasly também mantiveram posições, enquanto Bottas se complicava. Ao invés de ganhar terreno, o finlandês perdeu posição para Hülkenberg. A zona de pontos se encerrava com Norris, Verstappen e Kvyat.

Mais atrás, toques. Albon brigou por posição com Giovinazzi na curva 1, tocando e quebrando a asa dianteira. O tailandês se arrastou até os boxes, onde fez o pit emergencial.
 
Na frente, a corrida se desenrolava do jeito que Vettel gostaria. O alemão começou a anotar as melhores voltas, o que significava abrir 1s8 de vantagem sobre Hamilton. O britânico também era mais lento que Leclerc, que tentava entrar na zona de uso de DRS.
 
A parte de trás da zona de pontos reservava a briga mais quente das primeiras voltas. Verstappen foi ultrapassado por Norris ainda na primeira volta, o que significava ficar preso atrás da McLaren. O holandês tentava reagir, mas sofria para achar espaço. O outro carro laranja tinha vida mais difícil: Sainz veio aos boxes na volta 4 para tirar um detrito da entrada de ar dos freios, aproveitando para trocar os pneus macios por duros, voltando em 19º.
 
Curiosamente, o plano emergencial da McLaren afetou o resto do grid. Räikkönen e Kubica também pararam, reagindo ao espanhol, que começava a anotar bons tempos de volta. Gasly, mais adiante, fez o mesmo na volta 9 – trocando macios por duros, voltando em 13º. O plano de todos esses pilotos era ir até o fim da corrida sem novas paradas.
 
O primeiro abandono veio na volta 10. Norris andava normalmente quando a suspensão traseira direita simplesmente quebrou, sem qualquer toque. Era fim de prova para o britânico, enquanto o resto do pelotão intermediário seguia com paradas nos boxes.
 
Com 14 voltas de corrida, o top-6 – Vettel, Hamilton, Leclerc, Hülkenberg, Bottas e Verstappen – seguia sem parar. Ricciardo era o melhor dentre os com pneus novos, em sétimo. Mas talvez parar tão cedo não tenha sido ideia tão boa: os pilotos com pneus gastos, mas mais aderentes, conseguiam voltas melhores até aqui.
 
Prova disso veio na volta 16, com Hülkenberg nos boxes. O alemão voltou em oitavo na frente de Gasly e, de quebra, com pneus aproximadamente dez voltas mais novos. O francês tinha um problema claro: Stroll, ainda sem parar, logo na frente.
 
Os três primeiros colocados, por sua vez, preparavam a estratégia em banho-maria. Foi só na volta 23 que a Ferrari fez menção de parada aos pilotos, indicando que iria com o ‘Plano B’ com Vettel e Leclerc.

Vettel abriu os trabalhos na volta 27, parando nos boxes para colocar pneus duros. Hamilton ouviu pelo rádio que era ‘Hammertime’ – hora de pisar fundo para tentar passar o alemão após o pit-stop. Não funcionou tão bem: parando na 29, Lewis voltou em terceiro, 4s4 atrás de Vettel. Em termos de campeonato, o britânico tinha algo importante: voltar na frente de Bottas, quarto e ainda sem parar.
 
Bottas, por sua vez, parou na 31. O finlandês, em uma tarde de pouco destaque, voltou em sexto – ainda atrás de Ricciardo, que fazia apresentação das melhores. Dessa forma, só dois pilotos seguiam sem parar: Leclerc, líder provisório, e Verstappen, quarto.
 
Leclerc finalmente parou na 33, voltando em quarto – atrás de Verstappen. O monegasco não teve dificuldades para fazer a ultrapassagem sobre o holandês, mas agora passava a ver um déficit de 11s para Hamilton.
 
E aí a briga pela vitória começou a ganhar uma nova cara: Hamilton, depois de um primeiro stint difícil, conseguiu encontrar tempo com pneus duros. Antes mais de 2s atrás, o britânico conseguiu cortar a diferença para 1s2 em poucas voltas. Mais duas voltas e a margem ficava em 0s6. O problema foi fritar os pneus no hairpin no giro seguinte, permitindo que a diferença crescesse novamente.
 
Mesmo assim, não tardou para Hamilton voltar a ter menos de 1s de vantagem. E aí Vettel não se ajudou: o alemão escapou na chicane das curvas 3 e 4, passando pela grama. O alemão conseguiu voltar na frente de Hamilton, mas quase causando um acidente.
 
Na volta 51, Verstappen finalmente veio aos boxes, colocando pneus médios. O holandês voltou em sétimo, mas com ritmo para empilhar ultrapassagens. A primeira vítima foi Hülkenberg, valendo o sexto lugar. Mais algumas voltas e Daniel Ricciardo teve o mesmo destino, valendo o quinto.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Advogado espera indiciamento de Neymar e diz que Najila está “morta”
BRASIL

Advogado espera indiciamento de Neymar e diz que Najila está “morta”

Argentina busca reabilitação contra o Paraguai
COPA AMÉRICA 2019

Argentina busca reabilitação contra o Paraguai

Marta passa Klose e vira maior artilheira da história das Copas do Mundo
FUTEBOL 2019

Marta passa Klose e vira maior artilheira da história das Copas do Mundo

Brasil tem três gols anulados e só empata com a Venezuela em Salvador
COPA AMÉRICA 2019

Brasil tem 3 gols anulados e só empata com a Venezuela

Mais Lidas