Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 15h57min

POLÊMICA

Vencedora do Bola de Ouro recebe pedido para fazer dança sensual no palco

4 DEZ 18 - 16h:34FOLHAPRESS

A tradicional premiação da Bola de Ouro, organizada pela revista France Football, coroou nesta segunda-feira (3) as grandes temporadas de Luka Modric, eleito o melhor do ano, e Kylian Mbappé, escolhido o melhor atleta sub-21. Mas o que era para ser uma noite de festa também para a norueguesa Ada Hegerberg acabou se transformando em desconforto para a jogadora.

Após receber seu prêmio de melhor da temporada, a atacante foi perguntada pelo DJ francês Martin Solveig, que apresentava a cerimônia, se ela sabia dançar o "twerk", um movimento de dança que basicamente consiste em agachamentos e mover o quadril.

Desconfortável, Hegerberg respondeu apenas "não", e imediatamente se virou para deixar o palco.
Atletas como o tenista britânico Andy Murray e a meio-campista da seleção norte-americana Lindsey Horan se posicionaram nas redes sociais em repúdio à atitude -sexista, na visão deles- de Solveig, que depois pediu desculpas a Hegerberg. A jogadora do Lyon minimizou o ocorrido, afirmando que não ficou chateada.

"Ele veio até mim depois disso e se desculpou, mas de nenhuma forma eu vi assim. Eu ganhei a Bola de Ouro", disse a atleta.

Apesar de minimizar o caso, discussões sobre a forma como o futebol feminino é visto e conduzido são muito sensíveis à jogadora. Segundo ela, na Noruega, assim como no Brasil, também há muito que se fazer para o desenvolvimento da modalidade.

Atacante do Lyon (FRA), Ada Hegerberg foi campeã da liga francesa e da Champions League com a equipe na última temporada. Potência no futebol feminino, o clube francês chegou ao terceiro título consecutivo no torneio continental, muito graças à norueguesa, que na edição 2017/2018 anotou 15 gols, recorde da competição.

Contudo, apesar do auge, a atleta não joga por sua seleção nacional desde a eliminação na Eurocopa de 2017. De acordo com Hegerberg, por frustração pela maneira como o futebol feminino tem sido trabalhado no país, que já conquistou Copa do Mundo (1995), medalha de ouro na Olimpíada (2000) e duas vezes a Eurocopa (1987 e 1993).

"Futebol é o maior esporte na Noruega para as meninas e tem sido assim há anos, mas ao mesmo tempo garotas não têm a mesma oportunidade que meninos. Nós paramos de falar sobre desenvolvimento e outros países nos ultrapassaram", disse a atacante, em entrevista ao Guardian.

No ano que vem, a Noruega disputará a Copa do Mundo que será disputada na França. Nem mesmo o fato de estar atuando no país (com contrato até 2021) faz com que ela mude de ideia em relação a um possível retorno à seleção.

"Às vezes você tem de tomar decisões duras para se manter fiel a si mesma. Eu fiz com que eles soubessem, de forma bastante clara, que o que encontrei não estava funcionando", afirmou nesta segunda, depois de receber o prêmio da France Football.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

TORNEIO

Fifa retira Mundial sub-17 do Peru por falta de requisitos atendidos

CAMPEONATO PAULISTA

Com dores, Danilo Avelar fica fora de jogo do Corinthians em Ribeirão Preto

FUTEBOL

Marcelo se reúne com Real para negociar ida para a Juventus, diz TV

Arthur Zanetti é superado por chineses e fica com bronze nas argolas
COPA DO MUNDO DE GINÁSTICA

Arthur Zanetti é superado por chineses e fica com bronze nas argolas

Mais Lidas