Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATLETISMO

Usain Bolt bate Justin Gatlin por 1 centésimo e é tri mundial nos 100 m

Usain Bolt bate Justin Gatlin por 1 centésimo e é tri mundial nos 100 m
23/08/2015 11:42 - FOLHAPRESS


u Usain Bolt na final dos 100 m no Mundial de Pequim, na China, neste domingo (23). O jamaicano de 29 anos venceu com seu melhor tempo do ano ao marcar 9s79 e se sagrou tricampeão mundial.

O norte-americano Justin Gatlin ficou com a prata por apenas um centésimo de diferença. Na seminfinal, ele havia feito a 15ª melhor marca da história da prova.
Na disputa por medalha, Gatlin teve um melhor início, mas Bolt conseguiu a recuperação nos metros finais da prova.

Durante as baterias eliminatórias, Bolt havia enfrentado dificuldade. Nas quartas de final fez apenas o quinto melhor tempo. Na semifinal, venceu sua bateria por milésimos de diferença, com a prova decidida no photofinish, recurso eletrônico que "congela" a imagem da linha de chegada. Com um joelho de vantagem, Bolt conseguiu a vaga.


Bolt havia vencido o Mundial nos 100 m em Berlim (2009) e Moscou (2013). Na Rússia, a vitória foi justamente sobre Gatlin.

Em Pequim, Bolt ainda disputa as eliminatórias 200 m rasos e o revezamento 4x100

ANO DIFÍCIL

Nesta temporada, Bolt correu pouquíssimas vezes. Disputou apenas três provas de 100 m e outras três de 200 m, provas das quais é bicampeão olímpico. Também se viu as voltas com lesão na perna esquerda que o tirou de duas etapas do circuito mundial.
Este deve ser seu penúltimo Mundial. Ele planeja se aposentar na edição de 2017, em Londres, um ano após os Jogos Olímpicos do Rio.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!