Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 25 de setembro de 2018

SUPERAÇÃO

Único atleta transplantado sul-mato-grossense competirá nos Estados Unidos

Somente três brasileiros transplantados irão participar dos jogos

12 JUL 2018Por FÁBIO ORUÊ17h:15

Carlos Alberto Rezende, mais conhecido como Professor Carlão, de 54 anos, vai participar da Transplant Games of America (TGA), em Salt Lake City, Utah, nos EUA. Uma competição de atletismo, exclusivo para atletas transplantados, acontece de 2 a 7 de agosto. 

Carlão, que é professor de biologia, tem praticado atletismo desde que se recuperou do transplante de medula óssea, em dezembro de 2016. Nos Estados Unidos, ele vai competir nas categorias de corrida de 400 e 800 metros, corrida de 5 km na rua e arremesso de peso e disco. A preparação aumentou nos últimos dias. "Treino de domingo a domingo, sem descanso. [...] Fico muito orgulhoso e honrado de representar o Estado na competição". disse ele ao Correio do Estado

Carlos tem praticado 3h por dia, além dos treinos na academia. "Com férias da universidade, eu pude aumentar as horas de treino por dia para me preparar". Médicos, fisioterapeutas e educadores físicos acompanham a preparação. Carlos também participa de eventos abertos para todas as pessoas, como a São Silvestre, em São Paulo, para manter o condicionamento físico e a rotina esportiva.

O professor foi diagnosticado com Aplasia Medular Severa em fevereiro de 2015. Ele, que havia praticado atletismo durante a adolescência, participa de um grupo de brasileiros atletas que fizeram algum transplante, como vascular, renal e de medula óssea. São 70 atletas em todo o Brasil, e Carlão é o único sul-mato-grossense transplantado da equipe. O esportista, que vai competir pela primeira vez em um torneio, e outros duas pessoas do estado de São Paulo irão ao exterior para o evento. 

Um grupo de amigos de Carlos comprou uma televisão e estão rifando o aparelho com o intuito de reunir dinheiro para o atleta conseguir viajar, pois os competidores não possuem patrocínios e nem apoio financeiro e os custos da viagem serão bancados propriamente por eles.

INSTITUTO SANGUE BOM

Foi depois de receber o diagnóstico da doença e precisar de um transplante de medula óssea que Carlos percebeu o quanto era querido entre os amigos, alunos e familiares. Na época, ele foi a pessoa que mais recebeu doações de medula óssea em Mato Grosso do Sul. 

No hospital, Carlão se perguntava o motivo de estar enfrentando a doença. "Depois de tanto carinho que recebi, soube que o motivo de eu estar enfrentando a doença era para poder lutar pela causa", lembra ele. 
Foi então, que ele idelizou o Projeto Sangue Bom, para conscientizar sobre a importância  da solidariedade e da doação de sangue, medula e orgãos. "Uma bolsa de sangue ajuda quatro pessoas. Em um ano, uma pessoa pode doar 4 vezes, ou seja, ela pode salvar 16 pesssoas. É um super-herói".

 Em agosto de 2016 ele recebeu a notícia que haviam encontrado um doador compatível 100%. "A possibilidade de encontrar um doador compatível não aparentado no Brasil é de uma em cem mil. Então eu literalmente nasci de novo".

Em abril de 2017, o projeto cresceu e virou o Instituto Sangue Bom, é por ele que o atleta realiza palestras, campanhas de conscientização, de doação de cabelo, empréstimos de cadeira de rodas, entre outras. "A solidariedade é a grande arma que nós temos contra o individualidade, contra a indiferença e a intolerância humana". Carlão cita esta frase ao final de toda palestra que ministra.

Pacientes que ainda esperam transplante veêm o esportista como exemplo de vida. Muitas delas expressam o desejo de praticar algum esporte ao se recuperar, assim como Carlão fez. 

Além da GTA, em outubro acontecem os Jogos Latinoamericanos, na Argentina, e o World Transplant Games (WTA), a Olímpiada dos Transplantados, em agosto de 2019. Todos são eventos voltados para pessoas que realizaram transplantes, e Carlão deseja competir em todas.

Para saber mais sobre o Instituto, ou ajudar com doações e na compra das rifas da televisão 43 polegadas, o número para contato é (67) 99296-4758. 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também