POLÍTICA

TSE recebe pedido de registro do Partido Nacional Corinthiano

Após o pedido, TSE analisará documento para autorizar ou negar criação
19/08/2015 18:30 - G1


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu no início da tarde desta quarta-feira (19) um pedido de registro do Partido Nacional Corinthiano (PNC). O documento foi protocolado no tribunal às 13h30.

De acordo com o TSE, após o documento ter sido protocolado, uma equipe técnica analisará os documentos e os submeterá ao ministro Henrique Neves, responsável por analisar se o pedido cumpre todas as exigências legais.

No site da legenda, a direção do partido afirma que o PNC iniciou o processo de criação em agosto de 2014. O partido se define como um "movimento de cidadãos e não de políticos profissionais ou homens de aparelho."

"O Partido Nacional Corinthiano (PNC) se forma para construir uma nova forma de organização social, esportiva e democrática, inspirada no respeito à dignidade humana, na liberdade e na igualdade de oportunidades", afirma a direção do partido.

"Perseguimos os mesmo objetivos lançados como alicerce do movimento denominado “democracia corinthiana” implantada no Sport Club Corinthians Paulista por lideranças como Sócrates, Casagrande, Wladimir, dentre outros no início da década de 80, portanto há mais de 30 anos atrás", afirma o presidente do partido em formação, Juan Antonio Moreno Grangeiro.

De acordo com levantamento do "Ibope", o Corinthians conta com a segunda maior torcida entre os clubes de futebol do país. A pesquisa aponta que são cerca de 27,3 milhões de torcedores no Brasil.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".