CIRCUITO MUNDIAL

Eliminadas, Talita e Taiana veem dupla encostar na corrida olímpica

Time da atleta sul-mato-grossense caiu nas quartas de final
26/05/2019 15:19 - JONES MÁRIO


 

A sul-mato-grossense Talita e a cearense Taiana voltaram a ser eliminadas na fase quartas de final, desta vez na etapa quatro estrelas de Jinjiang, na China, do Circuito Mundial de vôlei de praia.

A parceria foi superada pelas australianas Artacho e Clancy, por 2 sets a 1 (20/22, 21/19 e 15/10), no sábado (25). Pela quinta posição, Talita e Taiana somaram mais 480 pontos no ranking e receberam premiação de R$ 24 mil.

A dupla da atleta do Estado vinha de outra eliminação nas quartas, pela etapa quatro estrelas de Itapema (SC).

O desempenho na China mantém o time da sul-mato-grossense na segunda posição da corrida olímpica entre as duplas brasileiras para Tóquio-2020, com 1.440 pontos.

Porém, Talita e Taiana agora têm a companhia de Ágatha e Duda (PR/SE), que terminaram na quarta colocação em Jinjiang e também somam 1.440.

Medalhistas de bronze na etapa, Ana Patrícia e Rebecca (MG/CE) lideram a corrida feminina, com 1.840 pontos.

Entre os homens, Evandro e Bruno Schmidt (RJ/DF) ficaram com a prata, enquanto André Stein e George (ES/PB) levaram o bronze na China.

Evandro e Schmidt seguem na ponta da briga por vaga em Tóquio, com 1.760 pontos, seguidos por Stein e George, que somam 1.440. O time do sul-mato-grossense Saymon com o carioca Guto, que não disputou a etapa de Jinjiang, está na quinta posição, com 960 pontos.

O próximo desafio das duplas brasileiras começa já na terça-feira (28), com a fase quatro estrelas de Ostrava, na República Tcheca. O torneio também contará pontos para a corrida olímpica.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".