SÉRIE D

Sul-mato-grossenses dão adeus ao Campeonato Brasileiro

Sul-mato-grossenses dão adeus ao Campeonato Brasileiro
09/06/2019 20:07 - EDUARDO MIRANDA


 

O Operário foi ao Ninho da Águia, em Rio Brilhante, para tentar um milagre e classificar-se para a próxima fase da Série D do Campeonato Brasileiro. O Galo não teve êxito nesta aposta: acabou perdendo por 2 a 1 para a Patrocinense-MG e está fora da competição. Quem também se deu mal foi o Corumbaense, que perdeu para o Palmas-TO, por 1 a 0, fora de casa. 

Em Rio Brilhante, o Operário perdeu de virada. O time sul-mato-grossense começou a partida em vantagem, com gol marcado por Dill, aos 38 minutos do primeiro tempo. Na segunda etapa, porém, só deu Patrocinense. A equipe de Minas Gerais empatou aos 23 minutos com Erick Bahia, e virou o placar em seguida, aos 27, com Luiz Fernando. 

A vitória fez com que a Patrocinense terminasse me primeiro do grupo A11, com 10 pontos ganhos em seis jogos. O União-MT também teve a mesma pontuação, mas ficou em segundo por ter um saldo de gols menor que a equipe mineira. 

O Galo ficou na lanterna do grupo, com apenas cinco pontos ganhos. Ficou atrás da Anapolina-GO, que terminou esta primeira fase com oito pontos, e também foi eliminada. 

CORUMBAENSE
O Corumbaense estava em melhor fase, e tinha muito mais chances de avançar na competição que o Galo. O Carijó estava grupo A10, e com a derrota para o lanterna Palmas-TO, terminou a primeira fase com sete pontos ganhos, na terceira posição. Vale lembrar que foi a única vitória do Palmas, que jogava em casa, em toda a competição. 

A vitória do Sinop-MT por 2 a 1 contra o Iporá-GO, fez com que as duas equipes avançasse. Mesmo perdendo, o Iporá ficou em primeiro, com dez pontos. O time do Mato Grosso foi aos nove pontos com a vitória, e ultrapassou o Carijó. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".