COPA AMÉRICA 2019

São-paulino, Daniel Alves vê Morumbi frio com jogos da Seleção

Estádio do rival Corinthians seria 'mais quente'
17/06/2019 08:22 - RAFAEL RIBEIRO


 

Daniel Alves é declaradamente torcedor do São Paulo e, inclusive, afirmou recentemente que quer atuar pelo clube no futuro. Entretanto, o Morumbi não agrada o jogador, que falou novamente sobre a postura da torcida brasileira em jogos da Seleção, mas desta vez dando a entender que o público blasé está ligado diretamente ao estádio.

“É algo que foge das nossas mãos, não controlamos os valores do ingresso. Não sou dono da verdade (sobre as críticas à torcida), mas acho que não é coisa de São Paulo. Sinto isso quando a gente joga no Morumbi, em relação na Arena (Corinthians) sentimos uma atmosfera diferente. O campo é mais distante. Até amigos que estavam no jogo me disseram isso e ele não estavam jogando”, afirmou.

Instantes antes do início da estreia da Seleção Brasileira, contra a Bolívia, o público ensaiou alguns gritos de apoio à Seleção Brasileira no Morumbi. Assim que a bola rolou, no entanto, o Morumbi foi tomado por um silêncio desconcertante. Em alguns momentos, a situação lembrou jogos realizados com portões fechados. No anel intermediário, torcedores puxaram o hino do São Paulo e foram vaiados.

“O futebol no Brasil é religião e as pessoas são doutrinadas a seguir seus clubes, não sua seleção. Então, se tem um jogador do seu time, elas apoiam. Se não tiver, é o contrário. Elas levam esse sentimento”, afirmou. “Mesmo se você não gosta de certo jogador, é a hora de união, que haja uma conexão”, completou.

Com o ingresso mais barato a R$ 190,00, o Estádio do Morumbi recebeu 47.260 pessoas para a estreia do Brasil na Copa América, realizada na sexta-feira contra a Bolívia. O duelo teve uma renda de R$ 22.476.630,00, a maior da história de jogos de futebol no território nacional.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".