Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

POTÊNCIAS

Quênia e Jamaica terminam Mundial de atletismo na frente dos EUA

31 AGO 15 - 05h:00FOLHAPRESS

O Mundial de atletismo de Pequim, na China, chegou ao fim neste domingo (30) com o Quênia no topo da tabela e os Estados Unidos apenas na terceira posição, algo inédito para os americanos, que sempre terminaram a competição no primeiro lugar.

Com o estádio Ninho de Pássaro como palco, os atletas quenianos levaram adiante a fama de bom desempenho e fecharam a competição com 16 medalhas (sete de ouro, seis de prata e três de bronze).

A liderança do país foi garantida no último dia, com Asbel Kiprop. O atleta alcançou o tricampeonato nos 1.500m.

Os jamaicanos, liderados pelas conquistas de Usain Bolt (que levou a "trinca de ouro", com vitória nos 4 x 100 m, 100 m e 200 m rasos), não ficaram muito atrás. Foram 12 pódios aos caribenhos, sendo que levaram, também, sete ouros e três bronzes. O critério de desempate com o Quênia foi a quantidade de pratas (duas).

Os Estados Unidos, pela primeira vez na história, ficaram com a terceira posição na classificação geral. A quantidade de ouros, pratas e bronzes foi a mesma: seis, e um total de 18 medalhas.

Uma das grandes apostas do país era Justin Gatlin, que chegou ao Mundial como um dos nomes a bater Bolt. Mesmo com disputa acirrada nas provas em que competiram juntos, o jamaicano levou a melhor na competição.

A chance de liderança no quadro de medalhas para os americanos se manteve viva até este domingo. Na prova do revezamento 4 x 400 m, os norte-americanos precisavam vencer tanto nas categorias masculina e feminina para somar sete ouros e vencer no desempate pelo número total de medalhas.

Na prova feminina, acabaram superados pelas jamaicanas. Na masculina, garantiram o ouro, mas o número não foi suficiente para bater os adversários no quadro geral de medalhas.

BRASIL

O Brasil sai do Mundial com apenas uma medalha e na 25ª colocação na classificação - o país ficou empatado com Bélgica, Egito, Israel, Tajiquistão e Tunísia. Fabiana Murer conquistou a prata na final do salto com vara, disputada na última quarta-feira (26).

Dentre os 58 atletas da delegação brasileira na competição, Fabiana era uma das únicas brasileiras classificadas entre os cinco melhores do mundo em suas provas na temporada. Junto a ela estava Thiago Braz, também da vara, que acabou eliminado e não chegou às finais da categoria.

A "seca" do país em competições dura, pelo menos, três anos. Exemplos recentes são as Olimpíadas de Londres, em 2012, na qual saiu sem medalhas, e o Mundial de Moscou, em 2013, competição na qual voltou para casa também sem premiação.

Até os 13 pódios do Pan de Toronto confirmam a má fase - foram dez a menos do que a edição anterior da competição, em 2011.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Inter aposta em força <BR>máxima contra Paysandu
COPA DO BRASIL

Inter aposta em força máxima contra Paysandu

Corinthians tem baixa <br>na zaga diante do Lara
SUL-AMERICANA

Corinthians tem baixa na zaga diante do Lara

Brasileiro de motocross quer atrair <br>10 mil pessoas em Três Lagoas
EM JUNHO

Brasileiro de motocross quer atrair 10 mil pessoas em Três Lagoas

Estadual de taekwondo vai reunir centena de atletas em Campo Grande
ARTES MARCIAIS

Estadual de taekwondo vai reunir centena de atletas

Mais Lidas