TÊNIS

Pennetta surpreende Halep com facilidade e aguarda final

Pennetta comemora classificação inédita à final do US Open
11/09/2015 16:04 - GAZETA ESPORTIVA


 

A zebra voltou a passear no Aberto dos Estados Unidos. Na semifinal disputada nesta sexta-feira, a italiana Flavia Pennetta, 26º do ranking, superou a romena Simona Halep com surpreendente facilidade, e avançou à final do Grand Slam americano pela primeira vez na carreira. Pennetta levou apenas uma hora para despachar a segunda favorita ao título em sets diretos, com parciais de 6/1 e 6/3.

Anteriormente, a melhor campanha da italiana na competição havia sido em 2013, quando ela foi derrotada na semifinal pela bielorrussa Victoria Azarenka por 6/4 e 6/2. Um título em Grand Slams, porém, não é novidade para Pennetta. Ela ergueu o troféu do Aberto da Austrália em 2011.

Pennetta decide o título com a vencedora do duelo entre a norte-americana Serena Williams, hexacampeã e principal favorita, e a italiana Roberta Vinci, 43º do mundo.

O jogo – Halep não demonstrou muita resistência na primeira parcial. Depois de desperdiçar um ponto de quebra, a romena foi pressionada e salvou três break points, mas não evitou as duas quebras que levaram a italiana a vencer por 6/1.

Quebrada novamente no início do segundo set, a número 2 do mundo esboçou reação. Respondeu com duas quebras seguidas e tomou a dianteira (3/1), mas a alegria durou pouco. Pennetta freou o embalo da adversária com três quebras seguidas, não voltou a ser ameaçada e ainda perdeu um match point antes de confirmar o triunfo.

O único ace do jogo foi a favor da italiana, que também foi superior em winners (23 a 10) e cometeu menos erros não forçados (16 a 23). Pennetta converteu 60% das chances de quebra em realidade, e salvou um dos três break points que encarou (33%).

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".