Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORINTHIANS

Jejum em clássicos amplia urgência de vitória, diz Jadson

Corinthians não vence um clássico desde março, quando bateu o São Paulo no Morumbi
07/08/2015 16:36 - GAZETA ESPORTIVA


 

Jadson não está entre os jogadores do Corinthians que minimizam a importância do jejum contra os principais rivais. A equipe alvinegra vive boa sequência no Campeonato Brasileiro, mas não ganhou nenhum de seus últimos cinco clássicos e espera interromper essa série no domingo, contra o São Paulo, no Morumbi.

“Já faz cinco partidas que a gente não consegue vencer. Ganhar teria uma importância grande para tirar esse peso”, afirmou o meia, lembrando em seguida que o triunfo estabeleceria uma vantagem confortável sobre o rival, hoje seis pontos atrás na tabela do Nacional.

“Esse jogo é fundamental. Pode nos dar confiança e quebrar essa sequência de não vitórias em clássicos. A rivalidade é muito grande entre os torcedores, e a gente tem que fazer nossa parte: quebrar o tabu, conseguir distância do São Paulo e continuar buscando a primeira posição”, comentou.

Com seis vitórias e dois empates nas últimas oito rodadas do Campeonato Brasileiro, o Corinthians assumiu a vice-liderança, ficando apenas dois pontos atrás do Atlético-MG. A fase é superior à do São Paulo, que vem de derrota justamente para o Atlético-MG e está em sétimo lugar.

“O momento nosso na competição é um pouco melhor do que o do São Paulo. Mas, quando rola clássico, não tem favoritismo. Quando a bola rola, a dificuldade é enorme. A gente sabe que vai ser um jogo muito difícil, mas, como falei, dá a chance de a gente se distanciar do São Paulo e colar no Atlético-MG”, repetiu Jadson.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.