COPA DO BRASIL

Inter aposta em força <BR>máxima contra Paysandu

Colorado não deve poupar titulares
23/05/2019 06:00 - DA REDAÇÃO


 

O Internacional recebe o Paysandu hoje, às 19h (MS), no Beira-Rio, em duelo de ida válido pelas oitavas de final da Copa do Brasil. De olho em levar vantagem para o confronto de volta, no Pará, o Colorado não deve poupar titulares.

Em treino tático na tarde de ontem, o técnico Odair Hellmann posicionou o time titular com uma alteração em relação ao jogo contra o CSA, no último domingo, quando venceu por 2 a 0. O zagueiro Emerson Santos entrou no lugar de Rodrigo Moledo, que está lesionado.

O time do Inter escalado por Hellmann na atividade e que deve ser repetido na escalação de hoje tem Marcelo Lomba; Zeca, Emerson Santos, Víctor Cuesta e Iago; Rodrigo Lindoso, Edenilson e Nonato; D’Alessandro, Nico López e Paolo Guerrero. O volante Rodrigo Dourado segue de fora, pois ainda se recupera de uma lesão no joelho esquerdo.

O Colorado gaúcho faz sua estreia no mata-mata nacional este ano, já que é um dos oito clubes do País que disputam - ou disputaram - a Copa Libertadores deste ano. A equipe não perde um primeiro jogo de Copa do Brasil desde 2009, quando foi derrotado pelo União-MT.

O Paysandu também estreia no torneio somente nesta fase, já que garantiu o atalho ao vencer a Copa Verde do ano anterior. 
Comandado pelo técnico Léo Condé, o Papão da Curuzu disputa a Série C do Campeonato Brasileiro, pelo qual não vence há duas rodadas. O time paraense é o quarto colocado do Grupo B.

(Com agências)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".