Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

F-1

Hamilton e Vettel têm 'briga de trânsito', e Ricciardo vence o GP

Hamilton e Vettel têm 'briga de trânsito', e Ricciardo vence o GP
25/06/2017 13:30 - Folha Press


 

Em uma era em que a F-1 reprime pegas e qualquer atitude tresloucada de pilotos em nome da segurança, o GP do Azerbaijão deste domingo (25) destoou completamente. Foram várias batidas e passagens arriscadas, além de uma "briga de trânsito", entre Lewis Hamilton e Sebastian Vettel após choque proposital entre os dois carros.

A vitória "caiu no colo" de Daniel Ricciardo, que aproveitou o azar do então líder Hamilton e a atitude antidesportiva de Vettel, que era o 2º.

Valtteri Bottas, da Mercedes, foi o segundo com uma ultrapassagem na reta final sobre Lance Stroll, da Williams, o terceiro colocado. Vettel foi o quarto, com Hamilton em quinto.

Com esse resultado, Vettel lidera o Mundial de Pilotos com 153 pontos, seguido por Hamilton, com 139 pontos. Bottas é o terceiro, com 11 pontos. Ricciardo é o quarto, com 92 pontos.

A batida proposital de Vettel em Hamilton, na volta 21, causou punição de 10 segundos nos boxes ao alemão. A advertência tirou a chance de vitória a Vettel.

Já Hamilton precisou parar para arrumar o protetor de capacete, que se deslocou. Sem Hamilton e Vettel à sua frente, Ricciardo conquistou sua primeira vitória no ano.

Massa, que fazia excelente corrida de recuperação -largou em nono e chegou a ficar em terceiro-, acabou deixando a prova após problema na suspensão traseira.

Os pilotos voltam para a disputa da F-1 no próximo dia 9 de julho, no GP da Aústria, que será realizado no circuito de RB-Ring, às 9h (horário de Brasília).

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?