CAMPEONATO ESTADUAL

Fora de casa, Maracaju vence o Corumbaense no Sul-Mato-Grossense

Fora de casa, Maracaju vence o Corumbaense no Sul-Mato-Grossense
26/01/2020 18:43 - THIAGO GOMES


Mesmo jogando fora de casa, o Maracaju Atlético Clube (MAC) conseguiu vencer o Corumbaense Futebol Clube (CFC), por 1 a 0, pelo Campeonato Sul-Mato-Grossense de Futebol, Série A. A partida, apitada pela árbitra Daiane Caroline Muniz dos Santos, foi disputada na tarde deste domingo, no Estádio Arthur Marinho, em Corumbá. 

Quinto colocado na competição em 2019, o time da casa recebeu o Maracaju, vice-campeão da Série B no ano passado.  Em quatro confrontos, duas vitórias do Corumbaense e dois empates. 

O JOGO

Aproveitando o momento apático do Carijó da Avenida, o Maracaju abriu o placar logo aos 13 minutos do primeiro tempo. Após uma cobrança de escanteio pela esquerda do ataque, houve bate-rebate na área corumbaense e a bola sobrou para o zagueiro Alexandre, que jogou para dentro da rede alvinegra. O Alvinegro teve a chance de igualar o placar aos 39 minutos. Jeferson Tanque bateu um pênalti, muito fraco no canto esquerdo, mas o goleiro Cícero conseguiu espalmar e jogar para fora, mantendo a vantagem no primeiro tempo.

O segundo tempo foi sem gols. O Corumbaense até que tentou esboçar uma reação, melhorando a força do ataque, mas isso não foi suficiente para tirar a vantagem do Maracaju, que conseguiu se segurar e voltar para casa levando uma importante vitória. Corumbaense terá o seu próximo compromisso no dia 5 de fevereiro, diante do Cena, de Nova Andradina. Já o Maracaju vai enfrentar o Comercial.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".