VÔLEI

Em reedição da final olímpica, Brasil bate Itália por 3 sets a 1

Em reedição da final olímpica, Brasil bate Itália por 3 sets a 1
04/06/2017 11:05 - FOLHAPRESS


 

A seleção brasileira de vôlei conquistou sua segunda vitória sob o comando de Renan dal Zotto, substituto de Bernardinho. Neste domingo (4), em reedição da final olímpica de 2016, o Brasil venceu a Itália por 3 sets a 1 (25/15, 17/25, 25/23 e 25/22), pela terceira rodada da Liga Mundial, em Pesaro, na Itália.

Em sua primeira competição como treinador da seleção, Renan consegue uma sequência de duas vitórias. No último sábado (3), o Brasil havia vencido o Irã. A estreia ocorreu na sexta-feira, em derrota para a Polônia.

O Brasil começou dominante no jogo deste domingo. Com boa atuação de Evandro, a seleção brasileira não teve dificuldades para fechar a primeira parcial em 25/15. A mesma facilidade, porém, não foi vista no segundo set, quando o Brasil sucumbiu aos italianos por 17/25.

O set de maior equilíbrio na partida foi o terceiro. Mesmo com o Brasil chegando a abrir quatro pontos de vantagem, a Itália apostou na força de seu bloqueio para virar a parcial. Foi apenas no 24º ponto que a seleção brasileira voltou à frente e conseguiu fechar o set em 25/23, contando com um forte saque de Lucarelli, que bateu na rede e complicou os italianos.

Melhor no início da última parcial, o Brasil chegou a permitir o empate da Itália, mas contou com a força do bloqueio para fechar em 25/22.

O próximo compromisso da seleção brasileira será no dia 9 de junho, quando enfrentará o Canadá, na Bulgária.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".